Com grupo conhecido, handebol brasileiro tenta se superar no Mundial da França



A Seleção Brasileira masculina de handebol será a primeira a efetivamente dar a largada para o ciclo olímpico dos Jogos de Tóquio-2020, com uma pedreira pela frente: o Campeonato Mundial da França, que começa daqui a alguns dias, em 11 de janeiro. Só que para tentar chegar além do 16º lugar obtido no torneio de 2015, o Brasil terá praticamente a mesma equipe que disputou a Olimpíada Rio-2016.

A maior novidade brasileira está no banco de reservas. No lugar do técnico espanhol Jordi Ribera, que vinha fazendo um bom trabalho à frente da equipe, estará Washington Nunes, um velho conhecido da Seleção masculina. Além de já ter sido treinador, ele estava atuando como auxiliar de Ribera durante o último ciclo olímpico.

Com o dinheiro em caixa na CBHb (Confederação Brasileira de Handebol) estará mais curto a partir do ano que vem – tanto que nem se preocupou em renovar o contrato com o ótimo dinamarquês Morten Soubak, da equipe feminina -, com a já anunciada redução no patrocínio dos Correios, a entidade resolveu apostar em uma solução caseira, ao menos para o Mundial da França.

Neste início de trabalho, Nunes também optou por não ser muito ousado e praticamente manteve o mesmo grupo que esteve na Rio-2016 na convocação anunciada na última quinta-feira (22). Dos 14 convocados, 11 estavam na Olimpíada. Os ausentes são Diogo (opção técnica), Léo e Alemão, ambos por lesão. Gabriel Ceretta, Cleryston e Guilherme são as novidades
A ideia do treinador é tentar mesclar experiência dos mais rodados com nomes mais novos, justamente para iniciar da melhor forma a preparação aos Jogos de Tóquio-2020.

VEJA TAMBÉM:

>>> Handebol não pode perder Morten 
>>> Saída de Morten Soubak será um grande erro 
>>>As lições para o Brasil no Mundial de handebol

– Nossa expectativa é a melhor possível. Saímos muito bem dos Jogos Olímpicos. Temos pretensão de chegar novamente às oitavas de final e passar por esse obstáculo – disse Nunes.

Só que não será um desafio muito simples. Ao contrário da Seleção feminina, que está entre as melhores do mundo na modalidade, a equipe masculina do Brasil ainda integra um segundo escalão. Nos últimos dois Mundiais, os brasileiros não passaram das oitavas de final. Na boa campanha na Rio-2016, a Seleção ficou em sétimo, sendo eliminada pela França, vice-campeã olímpica, nas quartas de final.

Conheça os convocados da Seleção Brasileira masculina para o Campeonato Mundial da França:

Goleiros: César Augusto de Almeida ‘Bombom’ (OIF Arendal/Noruega) e Maik Santos (AL-Rayyan/Qatar)
Armadores: Gabriel Ceretta Jung (FC Barcelona/Espanha), Haniel Lângaro (BM Naturhouse La Rioja/Espanha), José Guilherme de Toledo (Orlen Wisla Plock/Hungria), Oswaldo Maestro Guimarães (Anaitasuna/Espanha), Thiago Alves Ponciano (BM Ciudad Encantada/Espanha) e Thiagus Petrus Gonçalves dos Santos (Mol-Pick Szeged/Hungria)
Centrais: Henrique Teixeira (CB Huesca/Espanha) e João Pedro Francisco da Silva (Chambery Savoie Handball/França)
Pontas: Claryston David Cordeiro Novais (ADJF/Independência Trade-MG), KIF Kolding Kobenhav-Dinamarca), Guilherme Torriani (Vegus/Guarulhos) e Lucas Cândido (BM Guadalajara/Espanha)
Pivôs: Alexandro Pozzer, o Tchê (Fertiberia Puerto Sagunto/Espanha) e Rogério Moraes (WC Vardar/Macedônia)



MaisRecentes

Glória do Pan de 1987 tem que ser exaltada por muitos anos



Continue Lendo

Isaquias Queiroz vai aumentar sua coleção de medalhas no Mundial de canoagem?



Continue Lendo

Brasil estreia em mundiais de badminton e wrestling nesta segunda



Continue Lendo