Ginástica brasileira pode mudar de patamar com Marcos Goto



Marcos Goto será o novo coordenador técnico da ginástica artística do Brasil (Crédito: CBG)

Marcos Goto será o novo coordenador técnico da ginástica artística do Brasil (Crédito: CBG)

A ginástica artística brasileira tem tudo para passar por um movimento interessante a partir deste ciclo olímpico. No última sábado (25), no encerramento da Assembleia Geral da CBG (Confederação Brasileira de Ginástica), em Aracaju (SE), foi confirmado que Marcos Goto será o novo coordenador técnico da ginástica artística. Ele entrará no lugar de Georgette Vidor, que há vários anos ocupava o cargo.

Goto, que já era o treinador-chefe da seleção masculina, agora passa ter ainda mais poder dentro da modalidade. Status mais do que merecido, diga-se de passagem. Foi com a fundamental ajuda de Goto que Arthur Zanetti tornou-se o primeiro ginasta brasileiro campeão olímpico, com o ouro nas argolas em Londres-2012.

Quatro anos depois, além de levar seu pupilo de volta ao pódio na Rio-2016, desta vez com a medalha de prata, Goto ainda teve papel importante nas outras duas medalhas da ginástica brasileira nestes Jogos: a prata de Diego Hypolito e o bronze de Arthur Nory no solo.

Já era notória uma evolução da ginástica masculina, que pela primeira vez na história dos Jogos classificou uma equipe completa para a Rio-2016. Resultados bem mais significativos do que a seleção feminina, em processo de renovação, obteve nas duas últimas edições olímpicas.

Por isso, a presença de Marcos Goto no comando da modalidade poderá ter um efeito muito positivo a longo prazo também para as mulheres. Se ele emplacar seu estilo obstinado e perfeccionista, não será surpresa se novas conquistas começarem a aparecer nos dois naipes da ginástica brasileira.

LEIA TAMBÉM:

Ginástica masculina muda de status com classificação para a Rio-2016
Olga Korbut leiloa suas medalhas olímpicas
O esporte brasileiro precisa se reinventar
Com carisma e medalhas, Flavia Saraiva segue a trilha de Daiane dos Santos
Menos dinheiro faz COB premiar competência com verbas das loterias  



MaisRecentes

Basquete masculino brasileiro bebe na fonte certa para tentar se reerguer da crise



Continue Lendo

O calote do Comitê Rio-2016 é uma vergonha que ficará para sempre



Continue Lendo

COI volta a se preocupar com os custos dos Jogos de inverno. Mas os de 2026



Continue Lendo