Ginástica artística precisa acabar com os barracos e esclarecer o caso Jade Barbosa



Coluna Diário Esportivo, publicada na edição de 19 de setembro do Diário de S. Paulo

Caso Jade Barbosa ainda está muito mal explicado

É incrível como o esporte olímpico brasileiro parece necessitar de polêmicas para ficar em evidência. No país da monocultura esportiva, se não for época de Olimpíadas ou Pan-Americanos, só mesmo com um belo barraco para o grande público se interessar por algo que não seja um jogo de futebol. No caso em questão, um barraco que pode abalar a estrutura de uma modalidade que até então fazia um trabalho irretocável.

O caso envolvendo Jade Barbosa (foto) e a Confederação Brasileira de Ginástica (CBG) já deixou de ser um episódio isolado envolvendo rusgas entre atleta e cartolas. No início, quando o pai da ginasta, Carlos Barbosa, acusou a CBG de fazer com que sua filha participasse dos Jogos de Pequim com uma séria contusão no pulso direito, a primeira coisa que me veio à mente era que tentavam encontrar desculpas pelo fato de Jade não ter chegado ao pódio olímpico – um absurdo, diga-se de passagem, ela não deve desculpas a ninguém.

O problema é que já começam a aparecer outros casos que deixam o trabalho da CBG (que vem sendo o mais bem sucedido no esporte brasileiro, depois do vôlei) sob suspeita. Reportagem publicada pelo site Uol Esportes nesta semana traz mais dois casos com ginastas que integraram a seleção brasileira permanente e teriam sofrido com negligência médica e maus tratos. Maíra dos Santos Silva diz que precisou fazer uma cirurgia no ombro porque estava com os ligamentos rompidos e que a entidade foi omissa em relação ao seu tratamento. Já Roberta Monari, que hoje faz parte do Cirque do Soleil, no Canadá, passou a temporada de 2006 reclamando de dores no pé direito e após sofrer uma queda simples, constatou-se que todos os ligamentos estavam rompidos, apesar das queixas constantes de dores.

E o que a CBG diz de tudo isso? Apenas retruca, dizendo que se tratam de críticas oportunistas e que até então a entidade fazia um trabalho de excelência. Respostas evasivas demais quando o assunto envolve a saúde de um atleta. Ou a CBG esclarece tudo isso ou sua imagem ficará abalada.

Só uma perguntinha

Apesar da gravidade da situação exposta acima, uma questão não me sai da cabeça: por que é que Jade Barbosa não reclamou publicamente das fortes dores no punho antes das Olimpíadas?

Os dois mundos do vôlei
A medalha de ouro obtida pela seleção feminina de vôlei em Pequim ainda está longe de trazer efeitos benéficos no mercado interno. A bela reportagem de José Eduardo Martins publicada pelo DIÁRIO no último domingo serve como ótimo exemplo. Enquanto a CBV festeja os milhões de reais em caixa, os clubes disputam campeonatos estaduais deficitários e desmotivantes.

A coluna Diário Esportivo, assinada por este blogueiro, é publicada todas às sexta-feiras no Diário de S. Paulo

Foto: Alaor Filho/Divulgação COB (10/08/2008)



MaisRecentes

Correria japonesa? Brasil já pensa nas oitavas do Mundial de handebol



Continue Lendo

‘Paredão’ Maik deixa Seleção Brasileira viva no Mundial de handebol



Continue Lendo

Rúgbi do Brasil inicia temporada de olho nos Jogos de Tóquio-2020



Continue Lendo