Fratus leva o bronze em Kazan com o terceiro melhor tempo de sua vida



Atualizado

Ao faturar o bronze neste sábado, na final dos 50 m livre do Mundial de natação em Kazan, na Rússia, o brasileiro Bruno Fratus não apenas ampliou para 29 o número de medalhas brasileiras em mundiais de esportes aquáticos como também confirmou ser o melhor nadador do país na prova mais rápida da natação.

Fratus, carioca de 26 anos, nascido em Macaé, obteve o terceiro lugar em Kazan com a marca de 21s55, a terceira melhor do ano, ficando atrás apenas do francês Florent Manaudou (21s19) e do americano Nathan Adrian (21s52). Por três centésimos, o brasileiro não levou a prata. E o tempo obtido neste sábado foi ainda o segundo terceiro melhor da carreira de Fratus, que tem como o tempo mais rápido na distância 21s41, obtido no Rio de Janeiro, durante o Brasileiro Sênior/Open, em 2014.

Bruno Fratus comemora a conquista da medalha de bronze no Mundial de Kazan. Crédito: Satiro Sodré/CBDA

Bruno Fratus comemora a conquista da medalha de bronze no Mundial de Kazan. Crédito: Satiro Sodré/CBDA

Auto-confiante em excesso, que muitas vezes resvala em uma certa arrogância, Bruno Fratus reconheceu ao final da prova que poderia ter sido mais rápido, “mas que jamais iria desprezar um bronze em Mundial”. Faz bem. Além de ter obtido sua primeira medalha na competição, mostra que tem potencial para brigar pelo pódio nos Jogos Olímpicos do ano que vem, no Rio de Janeiro.

>>> E mais: A prata do “vovô” Nicholas e a luz amarela para Cesar Cielo em Kazan

Se Cesar Cielo viveu em 2015 um verdadeiro inferno astral, atormentado por contusões e seguidas derrotas para Florent Manaudou, Bruno Fratus (que havia sido prata nos Jogos Pan-Americanos de Toronto) vai encerrando a temporada como esperança real de medalha no Rio 2016.

PS: agradeço ao amigo e também blogueiro olímpico Marcelo Romano, que escreve o ótimo Romano Olímpico, pela correção feita em relação ao tempo de Bruno Fratus



MaisRecentes

Comissão de Atletas precisar ir além das cartas para buscar seu espaço no COB



Continue Lendo

Do que têm tanto medo os cartolas olímpicos brasileiros?



Continue Lendo

Georgia Dome é demolido e uma parte da história olímpica vai embora com ele



Continue Lendo