Final histórica no salto triplo completa 47 anos



Neste sábado, completa-se 47 anos de uma dos momentos olímpicos mais sensacionais: a final  do salto triplo dos Jogos da Cidade do México 1968. Naquela tarde histórica, o brasileiro Nelson Prudêncio, o soviético Viktor Saneyev e o italiano Giuseppe Gentile bateram nada menos do que nove vezes o recorde mundial da prova, que no final acabou vencida pelo soviético, com o brasileiro terminando com a prata e o italiano com o bronze.

Há dois anos, no 45º aniversário desta incrível final, escrevi um texto no meu antigo blog, o Espírito Olímpico, que reproduzo abaixo:


Os Jogos Olímpicos da Cidade do México, em 1968, foram especiais. Provas e personagens inesquecíveis ficaram marcados para sempre na história do esporte. Entre estes momentos especiais, um deles ocorreu há exatos 45 anos. Em 17 de outubro de 1968, uma final histórica marcou o atletismo daqueles Jogos, a do salto triplo masculino. Uma prova que até hoje ainda impressiona.

O que dizer de uma competição na qual o recorde mundial foi quebrado nada menos do que nove vezes, desde a prova de qualificação, realizada um dia antes? A disputa pela medalha de ouro naquele 17 de outubro de 68, no Estádio Olímpico, ficou marcada para sempre pelo duelo entre o soviético Viktor Saneyev, o brasileiro Nelson Prudêncio e o italiano Giuseppe Gentile, que foi quem inaugurou a série de recordes quebrados, saltando 17m22, melhorando a própria marca de 17m10, que havia estabelecido menos de 24 horas antes.

A seguir, Saneyev (um engenheiro agrônomo de origem georgiana) assumiu a liderança, com 17m23. Ele só não esperava que Prudêncio, que não estava entre os favoritos da prova, conseguisse um salto incrível, com 17m27. Seria o salto da medalha de ouro, ninguém no Estádio Olímpico duvidava disso. Até que Saneyev, em sua última tentativa, alcançou a marca de 17m39, que lhe deu o título olímpico e também a condição de recordista mundial. A medalha de prata foi para Prudêncio e a de bronze, para Giuseppe Gentile.

Nelson Prudêncio, que morreu há cerca de um ano, vítima de câncer, disse que jamais conseguiu esquecer aquele momento, mas que só pôde ter a real dimensão do feito daquele 17 de outubro muito tempo depois. Ele tinha razão. Não deve ser fácil você perceber que ajudou a escrever a própria história do esporte, como eles a fizeram na Cidade do México.

Confira como foi a final do salto triplo nos Jogos de 1968, na Cidade do México:



MaisRecentes

Confira todas as medalhas do Brasil nos mundiais de esportes aquáticos



Continue Lendo

Há 65 anos, Adhemar Ferreira da Silva mudou a história olímpica do Brasil



Continue Lendo

Veja como chega a natação do Brasil para o Mundial de Budapeste



Continue Lendo