Final de semana traz incertezas e preocupações ao basquete brasileiro



Seleção feminina de basquete não viu a cor da bola diante do Canadá e disputará o bronze no Pan de Toronto. Crédito:COB

Seleção feminina de basquete não viu a cor da bola diante do Canadá e disputará o bronze no Pan de Toronto. Crédito:COB

A fase não anda muito boa para o basquete do Brasil. No sábado, uma reunião entre dirigentes da CBB (Confederação Brasileira de Basquete), COB (Comitê Olímpico do Brasil) e da Fiba (Federação Internacional de Basquete), realizada em Toronto, não conseguiu trazer uma solução para a questão da vaga olímpica direta ao Brasil nos Jogos Olímpicos do Rio 2016.

Explica-se: por ter solicitado um convite para disputar a Copa do Mundo da Espanha em 2014, a CBB teria que pegar à Fiba um total de US$ 1 milhão, em duas parcelas. Só que como apenas a primeira foi paga, a Federação Internacional ameaçou não dar as vagas diretas como país-sede ao Brasil, que assim teria que disputar os respectivos Pré-Olímpicos buscando vaga.

Neste sábado, porém, nada foi decidido. Segundo Carlos Nuzman, presidente do COB e presente à reunião, foi apresentada uma nova proposta de parcelamento (mais uma?) e a Fiba teria ficado satisfeita. A decisão, porém, sairá da reunião do comitê executivo da entidade, que será realizado em Tóquio entre os dias 7 e 9 de agosto próximos. Ou seja, mais algumas semanas de angústia e incerteza pela frente.

>>> E mais: Qual Iziane está voltando para a seleção feminina de basquete?

As preocupações, porém, estão dentro de quadra. Neste domingo, na semifinal do torneio feminino dos Jogos Pan-Americanos de Toronto, o Brasil não foi páreo para o Canadá. Na verdade, o time dirigido pelo técnico Zanon foi atropelado em Toronto, perdendo por 91 a 63, sem nunca ter tido qualquer chance de ameaçar as donas da casa. Agora, terá que disputar a medalha de bronze nesta segunda-feira, diante de Cuba. Desde o Pan de Havana, em 1991, a seleção feminina não fatura o ouro no basquete feminino.

Mas não foi o resultado do jogo que é o maior dos problemas. Mesmo lembrando que o time estava desfalcado das principais atletas, que estão atuando na WNBA, a liga profissional americana de basquete, a verdade é que a seleção feminina em nenhum momento da competição convenceu. E o que é pior: demonstra falhas graves, de fundamento inclusive, mesmo levando-se em conta de que se trata de um time novo, com muito pouca rodagem e experiência.

O sinal está amarelo para o basquete brasileiro.



MaisRecentes

Sonho de Budapeste para os Jogos de 2024 pode terminar nesta quarta-feira



Continue Lendo

Falta patrocínio no esporte brasileiro? O rúgbi não tem do que reclamar



Continue Lendo

Oscar Schmidt no All-Star da NBA alivia a depressão do basquete brasileiro



Continue Lendo