Fabiana Murer a caminho de um ano perfeito



Fabiana Murer venceu a etapa de Nova York da Liga Diamante e pinta como candidata a fazer uma temporada irretocável. Crédito: Contrapé

Fabiana venceu em Nova York pama Liga Diamante: no caminho de uma temporada irretocável. Crédito: Contrapé

O grande personagem da etapa de Nova York da Liga Diamante de atletismo, até por motivos óbvios, era o jamaicano Usain Bolt, que neste sábado venceu sem maiores problemas a prova dos 200 m, com o tempo de 20s29, bem distante das melhores marcas. Mas para o torcedor brasileiro, um resultado chamou bem mais a atenção. Ao cravar 4,80 m, o segundo melhor resultado de 2015, Fabiana Murer venceu a prova do salto com vara, confirmando um excelente início de temporada. Ainda tentou três vezes atingir a marca de 4,86 m, que seria o novo recorde sul-americano, mas não teve sucesso. O resultado fez com que assumisse a liderança da Liga Diamante, competição que venceu em 2014.

O principal ponto a ser destacado é que a brasileira tem sido muito constante neste ano. Em Nova York, obteve seu quinto pódio consecutivo, sendo que em quatro deles o fez como vencedora. Mais importante ainda são as marcas obtidas. Em sua primeira competição ao ar livre, o Troféu Brasil, em maio, ela venceu com 4,65 m. Depois, ficou em terceiro em um meeting na Holanda (4, 55 m) e ganhou uma competição na Áustria (4,60 m). Até que na semana passada, estreou na Liga Diamanete em Birmingham (ING), quando venceu com a boa marca de 4,72 m.

Ao ganhar neste sábado em Nova York com 4,80 m, Fabiana Murer ficou apenas um centímetro atrás  da americana Jennifer Suhr na lista das melhores marcas do ano (4,81 m). Porém, o resultado também dá à brasileira uma confiança ainda maior para seus dois principais desafios em 2015. Primeiro, os Jogos Pan-Americanos de Toronto, quando provavelmente terá como maior adversária a cubana Yarisley Silva, que a derrotou em Guadalajara 2011.

O outro desafio, este bem mais complicado, será o Campeonato Mundial, marcado para Pequim, em agosto, quando a brasileira brigará para tentar repetir o feito de 2011, ano em que faturou o título. Certamente terá todas as suas principais rivais no auge da forma, especialmente Suhr, atual campeã olímpica.

Aos 34 anos, Fabiana Murer vive a fase final de uma carreira brilhante e que, por uma série de fatores, poderia ter sido ainda maior. Acho inclusive que recebeu críticas além do merecido, especialmente por se tratar de uma prova extremamente complexa e na qual o Brasil não tinha tradição alguma. Se seguir o roteiro que vem sendo traçado pelos ótimos resultados do ano, não tenham dúvida de que Fabiana Murer chegará como forte candidata a subir no pódio nos Jogos Olímpicos do Rio 2016.



MaisRecentes

O calote do Comitê Rio-2016 é uma vergonha que ficará para sempre



Continue Lendo

COI volta a se preocupar com os custos dos Jogos de inverno. Mas os de 2026



Continue Lendo

Pole dance, poker e pebolim (ou totó): mais novidades no programa olímpico?



Continue Lendo