Fabiana dá um salto de qualidade



Coluna Diário Esportivo, publicada na edição de 19 de março do Diário de S. Paulo

Pense um pouco e reflita com honestidade: você imaginou que seria possível um dia o Brasil formar um campeão mundial no salto com vara? O que dirá então do salto com vara feminino, modalidade que mal completou duas décadas de existência em competições oficiais e que tem uma hegemonia quase imbatível da russa Elena Isinbayeva, um verdadeiro mito do esporte. Por tudo isso, tem que se tirar o chapéu para o feito da paulista Fabiana Murer, que no último domingo garantiu a inédita medalha de ouro no Mundial Indoor (pista coberta) de Doha, no Qatar. E se pensarmos que há exatos dez anos Fabiana saltou 3m79 em uma prova indoor nos Estados Unidos, é impressionante ela ter conquistado o título mundial com 4m80, marca inclusive inferior ao seu próprio recorde sul-americano, que é de 4m82.

O evidente salto de qualidade na carreira de Fabiana Murer só não é maior do que sua postura realista. “Quando a Isinbayeva está bem, a gente entra para disputar a prata”, reconheceu a nova campeã mundial ao repórter Alessandro Lucchetti, do DIÁRIO, no dia em que voltou ao Brasil. Fabiana tem a verdadeira noção de suas qualidades e defeitos. Sabe que tem que treinar muito mais do que suas concorrentes, até para superar a diferença física existente entre elas. Para completar, a má fase da estrela russa um dia irá acabar. Além de passar em branco em Doha, Isinbayeva já havia fracassado no Mundial de Berlim no ano passado. Alheia à tudo isso, Fabiana Murer segue em frente. E cada vez mais alto.

A coluna Diário Esportivo, assinada por este blogueiro, é publicada às sextas-feiras no Diário de S. Paulo



MaisRecentes

Ao tentar inovar, Fiba cria uma grande confusão no basquete mundial



Continue Lendo

Comissão de Atletas precisar ir além das cartas para buscar seu espaço no COB



Continue Lendo

Do que têm tanto medo os cartolas olímpicos brasileiros?



Continue Lendo