Experiência é a aposta do Brasil no Mundial feminino de handebol



A central Danielle Jóia é uma das novidades da convocação do técnico espanhol Jorge Dueñas para a Seleção feminina de handebol (Crédito: Cinara Piccolo/Photo&Grafia)

Uma renovação de 50% em relação ao grupo que esteve em ação na Olimpíada Rio-2016. Essa foi a opção que o técnico espanhol Jorge Dueñas adotou para a convocação da Seleção Brasileira feminina que a partir do próximo dia 1º disputará o Mundial na Alemanha. Mas ao mudar metade do time que terminou os Jogos Olímpicos em quinto lugar, Dueñas também mostrou que não poderia abrir mão da experiência com tão pouco tempo de trabalho.

+ O blog está no Twitter. Clique e siga para acompanhar
+ Curta a página do blog Laguna Olímpico no Facebook
+ O blog também está no Instagram. Clique e siga 

Talvez o maior questionamento sobre a lista do espanhol, anunciada quinta-feira (9) pela CBHb (Confederação Brasileira de Handebol) seja a ausência da ponta Alexandra Nascimento. Aos 36 anos e integrante da Seleção desde 1999, ele teve papel fundamental no título mundial do Brasil em 2013, na Sérvia. Foi ainda eleita a melhor jogadora do mundo em 2012.

Se abriu mão de Alexandra, Dueñas manteve praticamente todas as principais jogadoras do dinamarquês Morten Soubak, ex-treinador da Seleção. Estão na lista, por exemplo, as goleiras Bárbara e Mayssa, as armadoras Deonise e Duda Amorim e a central Ana Paula.

O espanhol chamou 17 atletas e precisará cortar uma até o Mundial. O teste final será em um torneio na Romênia, ao lado de Polônia, Macedônia e o time da casa, a partir do próximo dia 20. Depois, Dueñas precisará fazer um corte, para a lista final de 16 jogadoras. “Temos um grupo equilibrado que nos permite realizar muitas mudanças de ataque e defesa. A ideia é que com a troca das jogadoras tenhamos um bom nível e nosso rendimento não caia”, disse Dueñas.

Confira a lista de convocadas da Seleção Brasileira

Goleiras – Bárbara Arenhart (Club Vaci NKSE-Hungria), Gabriela Moreschi (Larvik Handball Klubb-Noruega) e Mayssa Pessoa (Club Rostov Don-Rússia).

Armadoras – Deonise Fachinello (CS Magura Cisnadie-Romênia), Eduarda Amorim (Gyori Audi ETO-Hungria), Karoline Souza (Club Vaci NKSE-Hungria) e Pagricia Batista da Silva (Thuringer-Alemanha).

Centrais – Ana Paula Rodrigues Belo (Club Rostov Don-Rússia), Danielle Jóia (Pinheiros-SP) e Patrícia Matieli Machado (Vistal Gdynia-Polônia).

Pontas – Dayane Pires da Rocha (São Bernardo/Unip-SP), Jessica Quintino (HC Odense-Polônia), Mariana Costa (CS Magura Cisnadie-Romênia) e Samira Rocha (Kisvarda Master Good-Hungria).

Pivôs – Lígia Costa (Pogon Szczecin-Polônia), Tamires Anselmo Costa (Pinheiros-SP) e Tamires Morena-(Larvik Handball Klubb-Noruega).

VEJA TAMBÉM:

Com hexa, França confirma dinastia no handebol masculino 
Brasil não consegue superar sua melhor campanha no Mundial de handebol 
Números e curiosidades do Mundial masculino de handebol



MaisRecentes

Ao tentar inovar, Fiba cria uma grande confusão no basquete mundial



Continue Lendo

Comissão de Atletas precisar ir além das cartas para buscar seu espaço no COB



Continue Lendo

Do que têm tanto medo os cartolas olímpicos brasileiros?



Continue Lendo