Democratizar a divulgação do esporte olímpico na palma da mão



Causou um razoável barulho na mídia nesta semana a transmissão do amistoso da Seleção Brasileira contra a Argentina (vitória dos argentinos por 1 a 0). E qual o motivo? O fato dela ter sido realizada também na página da CBF no Facebook. Embora a maior repercussão tenha sido o fato do jogo não ter sido transmitido pela TV Globo, o fato da entidade adotar a rede social para divulgar seu produto principal não pode ser ignorado.

Só que o futebol brasileiro está chegando atrasado nesta nova forma de “democratizar” a divulgação da modalidade. Há alguns dias, durante uma coletiva na sede da CBAt (Confederação Brasileira de Atletismo), o presidente da entidade, José Antonio Fernandes, comentou a polêmica que havia em relação à transmissão destes amistosos do Brasil. O gancho foi para fazer o “merchan” da Atletismo Brasil TV, criada pela CBAt há dois anos.

Com uma estrutura simples, em comparação com as redes de TV tradicionais, a Atletismo Brasil TV transmite as principais competições da modalidade pela sua página no Facebook. Fez assim no GP Brasil, na semana passada, bem como o Troféu Brasil, que se encerra neste domingo, em São Bernardo do Campo (SP).

O exemplo do atletismo brasileiro não é inédito. Outras modalidades e confederações do esporte olímpico no mundo todo descobriram uma forma mais fácil de divulgar seus eventos. O recém-encerrado Mundial de tênis de mesa, encerrado na última segunda-feira (5) na Alemanha, pôde ser acompanhado diretamente na página da ITTF (Federação Internacional de tênis de mesa). Oito links de streeming estavam à disposição de quem quisesse ver os jogos do torneio em seu lap top ou mesmo celular.

A Iaaf (Associação das Federações Internacionais de Atletismo) fez o mesmo durante o Mundial de revezamentos, disputado em abril, nas Bahamas, via seu próprio canal no YouTube. A IJF (Federação Internacional de Judô) também usa sua página nesta rede social para transmitir alguns de seus torneios. No rúgbi, a modalidade seven, que é olímpica, tem as etapas da Série Mundial transmitidas em links dentro do próprio site da World Rugby, a federação internacional da modalidade. No Brasil, a CBRu já tem o seu canal próprio também, transmitindo jogos das seleções brasileiras e torneios nacionais.

O assunto é tão sério que o próprio COI (Comitê Olímpico Internacional) resolveu criar seu próprio canal de TV. O Olympic Channel transmite ao vivo competições das mais variadas modalidades olímpicas e exibe também reportagens especiais, além de clipes de momentos históricos dos Jogos Olímpicos.

O caminho da democratização na divulgação dos esportes olímpicos está aberto. O que não pode ser esquecido é que estes são canais oficiais das entidades. Ou seja, irá se falar apenas aquilo que interessa à determinada confederação ou federação internacional. O papel da imprensa independente ainda é fundamental para que a informação chega ao público sem restrições ou filtros.

VEJA TAMBÉM:

Atletismo reúne destaques da nova geração e estrelas da marcha no Troféu Brasil 
Rúgbi feminino do Brasil disputa nova etapa da Série Mundial e seca Espanha 
Novo ranking motiva Hugo Calderano a buscar marca inédita