Diário esportivo: tá aí a coluna…



O sonho virou pesadelo

Um frio comunicado de apenas oito linhas, emitido ontem pela Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA), levou a nadadora brasiliense Rebeca Gusmão (foto) da euforia extrema à mais profunda depressão em menos de uma semana. Ao ser informada da decisão da Federação Internacional de Natação (Fina) de condená-la por dois anos pelo uso de doping durante o Pan-Americano de 2007, Rebeca viu enterrado de vez o sonho de participar dos Jogos Olímpicos de Pequim.

Por ironia do destino, na última segunda-feira Rebeca emocionou-se, durante uma coletiva de imprensa, ao falar sobre seus planos de participar das próximas Olimpíadas e trazer uma medalha para o país. A nadadora estava animada com a decisão da Corte Arbitral do Esporte (CAS) de julgar-se incompetente em analisar um outro caso de doping de Rebeca, do ano de 2006, que nem havia sido julgado pela Fina. A decisão da entidade máxima da natação mundial, na prática, livrou a CBDA de uma tremenda saia-justa. Afinal, sem o veredicto da Fina, Rebeca realmente poderia integrar a equipe brasileira, pois tinha índice olímpico para os 50m livre obtido antes mesmo da polêmica do doping. E se isso ocorresse, como ficaria o clima dentro da equipe brasileira? Certamente algumas nadadoras que perderam a chance de ir a Pequim por causa do doping de Rebeca ficariam bem incomodas.

Salto de qualidade
O encerramento do Troféu Maria Lenk, no último domingo, definiu a equipe brasileira que competirá em Pequim. Em relação ao time que foi para os Jogos de Atenas, houve uma redução no número de integrantes — dos 23 nadadores que competiram em 2004, serão agora 17. Mas na opinião da comissão técnica da CBDA, o encolhimento deve ser encarado como uma evolução. O coordenador técnico da entidade, Ricardo de Moura, argumenta que a equipe anterior estava envelhecida, com Gustavo Borges e Fernando Scherer prestes ase aposentar. Já o grupo atual, segundo Moura, conta com nadadores em condições de brigar por medalhas, como Thiago Pereira, Kaio Márcio e César Cielo. Será?

Basquete vai de Chupeta
A Confederação Brasileirade Basquete (CBB) anunciou ontem que Paulo Teixeira Sampaio, o Paulo Chupeta, técnico do Flamengo, irá comandar a seleção masculina no próximo Campeonato Sul-Americano adulto, que será realizado de 1 a 6 de julho, no Chile. Paulo Chupeta tem como “ponto alto” no currículo a campanha do Rubro-negro no vice-campeonato da Liga Sul-Americana. A base da equipe de Chupeta terá apenas jogadores que atuam no basquete brasileiro, enquanto o técnico espanhol Moncho Monsalve treinará o time que vai ao Pré-Olímpico Mundial, com atletas que atuam na Europa e na NBA. Monsalve também irá supervisionar o time de Chupeta no Sul-Americano.

Crédito da foto: Sátiro Sodré/Divulgação CBDA



MaisRecentes

Liberação da Fiba é o mais novo título mundial do basquete brasileiro



Continue Lendo

Herói olímpico dos EUA desafia escândalo sexual no Mundial de taekwondo



Continue Lendo

Com medalhista olímpico, Brasil estreia sábado no Mundial de taekwondo



Continue Lendo