Diário esportivo: tá aí a coluna…



O sonho virou pesadelo

Um frio comunicado de apenas oito linhas, emitido ontem pela Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA), levou a nadadora brasiliense Rebeca Gusmão (foto) da euforia extrema à mais profunda depressão em menos de uma semana. Ao ser informada da decisão da Federação Internacional de Natação (Fina) de condená-la por dois anos pelo uso de doping durante o Pan-Americano de 2007, Rebeca viu enterrado de vez o sonho de participar dos Jogos Olímpicos de Pequim.

Por ironia do destino, na última segunda-feira Rebeca emocionou-se, durante uma coletiva de imprensa, ao falar sobre seus planos de participar das próximas Olimpíadas e trazer uma medalha para o país. A nadadora estava animada com a decisão da Corte Arbitral do Esporte (CAS) de julgar-se incompetente em analisar um outro caso de doping de Rebeca, do ano de 2006, que nem havia sido julgado pela Fina. A decisão da entidade máxima da natação mundial, na prática, livrou a CBDA de uma tremenda saia-justa. Afinal, sem o veredicto da Fina, Rebeca realmente poderia integrar a equipe brasileira, pois tinha índice olímpico para os 50m livre obtido antes mesmo da polêmica do doping. E se isso ocorresse, como ficaria o clima dentro da equipe brasileira? Certamente algumas nadadoras que perderam a chance de ir a Pequim por causa do doping de Rebeca ficariam bem incomodas.

Salto de qualidade
O encerramento do Troféu Maria Lenk, no último domingo, definiu a equipe brasileira que competirá em Pequim. Em relação ao time que foi para os Jogos de Atenas, houve uma redução no número de integrantes — dos 23 nadadores que competiram em 2004, serão agora 17. Mas na opinião da comissão técnica da CBDA, o encolhimento deve ser encarado como uma evolução. O coordenador técnico da entidade, Ricardo de Moura, argumenta que a equipe anterior estava envelhecida, com Gustavo Borges e Fernando Scherer prestes ase aposentar. Já o grupo atual, segundo Moura, conta com nadadores em condições de brigar por medalhas, como Thiago Pereira, Kaio Márcio e César Cielo. Será?

Basquete vai de Chupeta
A Confederação Brasileirade Basquete (CBB) anunciou ontem que Paulo Teixeira Sampaio, o Paulo Chupeta, técnico do Flamengo, irá comandar a seleção masculina no próximo Campeonato Sul-Americano adulto, que será realizado de 1 a 6 de julho, no Chile. Paulo Chupeta tem como “ponto alto” no currículo a campanha do Rubro-negro no vice-campeonato da Liga Sul-Americana. A base da equipe de Chupeta terá apenas jogadores que atuam no basquete brasileiro, enquanto o técnico espanhol Moncho Monsalve treinará o time que vai ao Pré-Olímpico Mundial, com atletas que atuam na Europa e na NBA. Monsalve também irá supervisionar o time de Chupeta no Sul-Americano.

Crédito da foto: Sátiro Sodré/Divulgação CBDA



MaisRecentes

Pole dance, poker e pebolim (ou totó): mais novidades no programa olímpico?



Continue Lendo

Robert Scheidt desiste de Tóquio-2020 por família e falta de resultados



Continue Lendo