Diário Esportivo: a coluna desta sexta do Diário de S. Paulo já está no ar



A política já ameaça estragar a festa olímpica

Já faz tempo, e bota tempo nisso, que a maior festa esportiva do planeta não era contaminada pelos desentendimentos políticos entre as nações. Para ser mais exato, há 20 anos foi a última vez em que uma edição dos Jogos Olímpicos sofreu um boicote. Em Seul-1988, sete países, tendo Cuba como carro-chefe, decidiram boicotar as Olimpíadas graças à negativa dos sul-coreanos em permitir a participação da vizinha Coréia do Norte na organização do evento. Desde então, o esporte vinha sempre triunfando.

Mas já há quem aposte que esta paz será quebrada justamente duas décadas depois, em Pequim. Por causa dos protestos na região do Tibete — que resultaram em violenta repressão das autoridades chinesas nos últimos dias —, políticos do mundo inteiro estão se manifestando contra a posição da China. O presidente francês, Nicolas Sarkozy, chegou a declarar que não descarta a possibilidade de um boicote de seu país aos Jogos se a questão do Tibete não for bem resolvida pelos chineses. Para piorar, até a tradicional cerimônia do acendimento da tocha olímpica, realizada na última segunda-feira, em Atenas, foi alvo de um protesto, realizado pela ONG “Repórteres Sem Fronteiras”, que exibiu uma bandeira com algemas substituindo os anéis olímpicos.

Maratona de protestos
Pelo jeito, a confusão ocorrida na cerimônia da tocha foi apenas a primeira de uma série. Grupos de manifestantes pró-Tibete prometem atrapalhar o trajeto da tocha olímpica, que passará por 22 países, além de diversas regiões da China. Os chineses, por sinal, já começam a se incomodar com as referências ao problema no Tibete feitas pela imprensa internacional. Um editorial do jornal inglês “Sunday Times” comparou os Jogos de Pequim aos de Berlim-1936, marcados pela força do regime nazista de Adolf Hitler.

Exemplos no passado
Os boicotes anteriores na história olímpica: em Melbourne-56, sete países (a Espanha entre eles) não participaram graças à invasão soviética à Hungria e pelo conflito árabe-israelense; em Montreal-76, 22 países africanos se negaram a disputar por causa da presença da Nova Zelândia, cuja seleção de rúgbi disputara um torneio na África do Sul, que vivia então o regime do apartheid; e os boicotes mais famosos, em Moscou-80, liderado pelos EUA (protestando pela invasão soviética ao Afeganistão), e em Los Angeles-84, comandado pela União Soviética e seus aliados, como resposta ao protesto americano.

O maiô da discórdia
Dos 16 recordes mundiais batidos na natação este ano, 15 foram obtidos por atletas que usavam o polêmico traje LZR Racer. Cartolas da Federação Internacional de Natação (Fina) vão analisar o caso.



  • Fernanda Hanna

    é a porcaria da política!

MaisRecentes

Comissão de Atletas precisar ir além das cartas para buscar seu espaço no COB



Continue Lendo

Do que têm tanto medo os cartolas olímpicos brasileiros?



Continue Lendo

Georgia Dome é demolido e uma parte da história olímpica vai embora com ele



Continue Lendo