Deu uma Zika fora de hora na Rio-2016



O diretor de comunicação da Rio-2016, Mario Andrada, responde aos jornalistas a respeito da preocupação com o aumento de casos de infecções pelo vírus Zika. Crédito: AFP

O diretor de comunicação da Rio-2016, Mario Andrada, responde aos jornalistas a respeito da preocupação com o aumento de casos de infecções pelo vírus Zika. Crédito: AFP

* Coluna Apito Inicial, publicada na edição desta segunda-feira do Diário Lance!

Uma coluna publicada pela revista americana “Forbes” na semana passada causou um verdadeiro alvoroço entre os organizadores dos Jogos Olímpicos do Rio-2016. Os cientistas americanos Arthur Caplan e Lee Igel assinaram um texto onde simplesmente pedem o cancelamento das Olimpíadas em razão do incrível aumento no número de casos de infectados na América Latina, em especial no Brasil.

Tanto Caplan, que é chefe da divisão de ética médica da Universidade de Nova York, quanto Igel, pesquisador especializado em tomada de decisões e comportamento no trabalho em negócios do esporte, argumentam que seria “irresponsável” permitir a realização dos Jogos, argumentando que o turismo para o Rio de Janeiro será afetado de forma considerável. Por fim, dizem que o COI (Comitê Olímpico Internacional) deveria se preocupar com a saúde dos atletas e pensar na possibilidade de adiar ou mesmo cancelar a Rio-2016.

>>> E mais: Rio-2016 conta com ajuda do clima para combater epidemia de vírus Zika

O reflexo da coluna assinada pelos dois cientistas americanos foi imediato no Brasil. O ministério do Esporte soltou nota negando qualquer possibilidade de cancelamento das Olimpíadas, enquanto que o comitê organizador dos Jogos detalhou o plano de combate ao mosquito transmissor do vírus, com ajuda inclusive das Forças Armadas.

Preocupação com o número de infectados pelo vírus Zika é válida, mas não justifica essa histeria contra as Olimpíadas

Não há como negar a gravidade da situação, mas daí a defender até mesmo o cancelamento dos Jogos vai uma distância bem razoável. Ainda há dúvidas em relação aos danos provocados pelo vírus, tal a quantidade de pesquisas publicadas a respeito do tema semanalmente. Os organizadores lembram também que a Rio-2016 será realizada no inverno, período de menor proliferação do vírus, o que ajudará a diminuir o número de casos.

>>> Veja ainda: Dúvidas que ainda pairam sobre os Jogos Rio-2016

Não se trata de defender o indefensável, vide o caso da nada limpa Baía de Guanabara, sede das competições de vela. Mas só para refrescar a memória: as Olimpíadas ocorreram normalmente na poluidíssima Pequim, em 2008.

Judô em alta

No meio da folia de Carnaval, o judô brasileiro festejou uma boa participação no Grand Slam de Paris (FRA), realizado neste final de semana. Foram cinco medalhas, com destaque para o ouro de Mayra Aguiar, batendo sua eterna rival Kayla Harrison (EUA). Também foram ao pódio Sarah Menezes, Rafaela Silva, Victor Penalber e David Moura, todos com bronze.

Mais um vice

Não foi surpresa a derrota de Thomaz Bellucci para o dominicano Victor Estrella Burgos na final do ATP 250 de Quito (EQU), por 2 sets a 1. Em um roteiro conhecido, ele venceu o primeiro set e levou a virada, após perder o segundo no tie-break. O melhor tenista brasileiro no ranking mundial precisa evoluir no lado psicológico de olho na Rio-2016.



MaisRecentes

As falhas de Isadora Williams não diminuem sua grandeza em PyeongChang



Continue Lendo

Campeã olímpica Rafaela Silva sofre racismo da PM no Rio de Janeiro



Continue Lendo

Heróis de PyeongChang #5: seleção americana feminina de hóquei no gelo



Continue Lendo