Crise no basquete chega até na imprensa



Minha sexta-feira ficou mais triste após receber um e-mail da amiga e jornalista Mariza Mendes, no qual ela informava que não fazia mais parte da assessoria de imprensa da Confederação Brasileira de Basquete (CBB). Por decisão do presidente Gerasime Boziks, Mariza foi desligada da CBB, entidade onde trabalhava desde 1984. Azar da CBB.

Mariza não faz cesta de três pontos ou dá tocos no garrafão defensivo. Mas qualquer jornalista que tenha feito alguma matéria de basquete nos últimos 24 anos conhece sua importância na modalidade. Neste tempo todo, Mariza ajudou – e muito, diga-se de passagem – uma quantidade enorme de coleguinhas a produzirem suas reportagens (seja em jornal, internet, rádio ou TV), seja passando informações ou trazendo aquele jogador que não estava com muita vontade de dar entrevistas.

Sou suspeito para falar dela pois é minha amiga. Mas todo jornalista basqueteiro vai concordar comigo: nestes tempos onde muitos assessores, rezando na cartilha dos cartolas, olham a imprensa como inimiga, Mariza Mendes foi um exemplo de profissionalismo.

Boa sorte em sua nova caminhada profissional, Mariza.



MaisRecentes

Porque o Mundial de piscina curta traz otimismo à natação do Brasil em Tóquio



Continue Lendo

Hugo Calderano se consolida como esperança de medalha em Tóquio-2020



Continue Lendo

Olimpíada da Coreia ‘unificada’ começa a ser discutida em fevereiro



Continue Lendo