Crise na CBDA é o mais novo “legado olímpico” brasileiro



Coaracy Nunes diz que as acusações do MP de São Paulo contra sua gestão são mentirosas. Será? (Crédito: Cleber Mendes)

Coaracy Nunes diz que as acusações do MP de São Paulo contra sua gestão são mentirosas. Será? (Crédito: Cleber Mendes)

Um detalhe que pode ter passado despercebido para quem não se liga muito em datas: esta quarta-feira (21) marca um mês do final dos Jogos Olímpicos Rio-2016. Com o encerramento também das Paralimpíadas, que ocorreu no último domingo, completou-se o ciclo dos grandes eventos poliesportivos que o Brasil se preparou para organizar e receber nesta década, incluindo aí até a Copa do Mundo de futebol, em 2014.

Mas se mega-eventos foram um inquestionável sucesso sob o aspecto esportivo e também para os torcedores, o mesmo não se pode dizer do gosto um tanto amargo que a “ressaca olímpica” vem causando por aqui. O exemplo mais recente disso é a crise envolvendo a CBDA (Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos). Nesta quarta-feira, o Ministério Público de São Paulo pediu o afastamento da diretoria da entidade, inclusive do presidente Coaracy Nunes, após longa investigação onde apura denúncias de desvio de recursos públicos e fraudes em prestações de contas de convênios junto ao Ministério do Esporte.

VEJA TAMBÉM:

>>> Ressaca olímpica começou mais cedo do que se imaginava
>>> Presidente da CBE nega desmanche na esgrima
>>> O que muda no COB com a saída de Marcus Vinícius Freire

A notícia é uma bomba no universo olímpico brasileiro, especialmente por se tratar de uma das confederações mais poderosas do esporte brasileiro, especialmente em termos de recursos financeiros. Segundo o MP-SP, no período de 2011 a fevereiro de 2016, a CBDA recebeu de verbas públicas federais (Lei Agnelo/Piva) e de oito convênios com o Ministério do Esporte um valor total R$ 38.294.452,49.

O problema é que segundo a investigação do MP, batizada de “Águas Claras’, a CBDA é investigada por superfaturamento de valores de passagens aéreas, desvio de dinheiro para compra de equipamentos e materiais para a preparação de atletas de maratona aquática, nado sincronizado e polo aquático, além de repasse de pagamentos para empresas de fachada. Pelo que levantou o MP, o prejuízo aos cofres da CBDA chegaria a R$ 1,5 milhão, pelo menos.

O órgão pediu o afastamento de Coaracy Nunes e de outros membros da diretoria da CBDA, inclusive do coordenador técnico de natação da entidade, Ricardo de Moura, apontado por muitos como o candidato de sucessão de Coaracy

Obviamente que o veterano dirigente, de quase 80 anos e longas três décadas no comando da entidade, negou todas as denúncias e prometeu processar os responsáveis pelas acusações. Ainda apontou como o candidato da oposição, Miguel  Cagnoni, presidente da Federação Aquática Paulista, como o mentor de todo este caso. As eleições da CBDA estão previstas para o primeiro trimestre de 2017.

Não custa lembrar que a natação brasileira, a despeito de todo o investimento milionário no último ciclo olímpico, teve um desempenho pífio na Rio-2016, passando sem medalhas e praticamente vendo quase todos os integrantes da delegação alcançando marcas pessoais piores do que já tinham alcançado. O vexame só não foi pior graças à medalha de bronze de Poliana Okimoto na maratona aquática.

O fim da carreira esportiva como dirigente de Coaracy Nunes, pelo visto, promete ser melancólico.



MaisRecentes

Ginástica brasileira pode mudar de patamar com Marcos Goto



Continue Lendo

Governo rebatiza programa ‘Atleta Pódio”, de olho em Tóquio-2020



Continue Lendo