Craques do quimono



Há pouco o judô brasileiro fez história no Rio de Janeiro. A brilhante medalha de ouro conquistada por Tiago Camilo (ao lado) na categoria meio-médio já garantiu a maior participação do país na história dos Mundiais da categoria. Com o título desta sexta-feira, o Brasil já tem 3 medalhas de ouro – os outros são João Derly, em 2005, e Luciano Corrêa, campeão na quinta-feira.

Só para ter uma idéia da importância do feito, Aurélio Miguel, campeão olímpico em Seul/88, não foi campeão do mundo. Rogério Sampaio, também campeão olímpico, só que em Barcelona/92, é outro que não sentiu o gosto de conquistar esta medalha.

Tenho enorme simpatia pelo judô e pelos atletas que o praticam. Talvez em virtude da disciplina feroz, é muito raro encontrar um judoca mascarado. E a modalidade só não chegou mais longe no cenário esportivo do Brasil por culpa da ditadura estúpida imposta pela família Mamede, que durante anos comandou a CBJ.


Neste sábado há uma grande chance de o Brasil fazer uma nova festa, desta vez com João Derly. Vale conferir.



MaisRecentes

Ginástica brasileira pode mudar de patamar com Marcos Goto



Continue Lendo

Governo rebatiza programa ‘Atleta Pódio”, de olho em Tóquio-2020



Continue Lendo