Craques do quimono



Há pouco o judô brasileiro fez história no Rio de Janeiro. A brilhante medalha de ouro conquistada por Tiago Camilo (ao lado) na categoria meio-médio já garantiu a maior participação do país na história dos Mundiais da categoria. Com o título desta sexta-feira, o Brasil já tem 3 medalhas de ouro – os outros são João Derly, em 2005, e Luciano Corrêa, campeão na quinta-feira.

Só para ter uma idéia da importância do feito, Aurélio Miguel, campeão olímpico em Seul/88, não foi campeão do mundo. Rogério Sampaio, também campeão olímpico, só que em Barcelona/92, é outro que não sentiu o gosto de conquistar esta medalha.

Tenho enorme simpatia pelo judô e pelos atletas que o praticam. Talvez em virtude da disciplina feroz, é muito raro encontrar um judoca mascarado. E a modalidade só não chegou mais longe no cenário esportivo do Brasil por culpa da ditadura estúpida imposta pela família Mamede, que durante anos comandou a CBJ.


Neste sábado há uma grande chance de o Brasil fazer uma nova festa, desta vez com João Derly. Vale conferir.



MaisRecentes

Rumo a Tóquio-2020: confira o resumo do final de semana no esporte olímpico



Continue Lendo

Calderano espera repetir no Mundial desempenho da Rio-2016



Continue Lendo

Rúgbi feminino do Brasil disputa nova etapa da Série Mundial e seca Espanha



Continue Lendo