Comemore, mas com moderação



Jogadoras brasileiras comemoram após ganhar do Japão/Crédito: CBB

Tudo bem, foi uma vitória emocionante e que trouxe um inegável sentimento de alívio. Mas o triunfo do Brasil sobre o Japão nesta terça-feira por 93 a 91, na prorrogação, pelas oitavas de final do Campeonato Mundial feminino de basquete, na República Tcheca, esteve muito longe de empolgar.

Mais uma vez foi uma dureza acompanhar a seleção brasileira em quadra. Em nenhum da partida a equipe de Carlos Colinas tomou as rédeas do jogo. É inconcebível que tenha sido necessário tanto sofrimento para superar uma equipe aplicada e rápida, é verdade, mas com média de altura visivelmente inferior.

O próprio lance que definiu a vitória do Brasil foi graças a esta vantagem física, com o bloqueio feito pela pivô Érika – que teve uma atuação excelente, diga-se de passagem, marcando 32 pontos e recuperando 18 rebotes – sobre a japonesa Oga, melhor jogadora da equipe asiática.

Esta vitória pode ter pelo menos o mérito de devolver a autoconfiança às jogadoras brasileiras. Nesta quarta, o desafio será nem mais indigesto: elas precisam ganhar da República Tcheca para prosseguirem com chance de medalha no Mundial.

Cá entre nós, missão quase impossível.



MaisRecentes

Qual sua dupla de mascotes preferida para os Jogos de Tóquio-2020?



Continue Lendo

Eliminação no Mundial precisa servir de aprendizado para o handebol do Brasil



Continue Lendo