Recado do COI é claro e ‘vídeo-game’ pode se tornar olímpico em breve



Reunidos neste sábado em Lausanne (SUI) para participar do 6º Olympic Summit, integrantes do COI (Comitê Olímpico Internacional) deram sinal verde para a entrada dos e-sports no movimento olímpico. Sim, é isso mesmo que você está lendo: não vai demorar muito para acompanharmos uma disputa de vídeo-game em Jogos Olímpicos.

+ O blog está no Twitter. Clique e siga para acompanhar
+ Curta a página do blog Laguna Olímpico no Facebook
+ O blog também está no Instagram. Clique e siga 

“Os e-sports podem ser considerados uma atividade esportiva, e os jogadores envolvidos se preparam e treinam com uma intensidade que pode ser comparável a atletas de esportes tradicionais”, disse o  COI, em comunicado após a reunião deste sábado. Mais claro do que isso, impossível. O desejo de tentar modernizar as Olimpíadas por parte dos cartolas do COI é mais do que conhecido. A própria entrada de modalidades “radicais” no programa olímpico de Tóquio-2020 é uma prova disso. Ao aprovar a chegada do surfe, skate e escalada esportiva, o COI aposta na conquista de um novo público, para tornar o produto Jogos Olímpicos ainda mais atraente e lucrativo.

E não é segredo para ninguém que muito além de um interesse em se adequar ao que interessa às novas gerações, o COI está mesmo de olho é no dinheiro. Grana é uma coisa que o mercado dos e-sports tem de sobra. De acordo com uma pesquisa publicada pelo site especializado “Newzoo”, os e-sports deverão arrecadar ao final de 2017 nada menos do que US$ 700 milhões. Para 2020, a previsão de lucro no setor é ainda maior, podendo chegar a US$ 1,4 bilhão, ou R$ 4,2 bilhões.

Mesmo sem ter divulgado seu programa esportivo, os organizadores da Olimpíada de Paris-2024 já sinalizaram com declarações que seriam simpáticos à ideia de acrescentar os e-sports nos Jogos.

Exigências

Óbvio que para manter as aparências, o COI impôs, no documento anunciado neste sábado, algumas condições aos e-sports, como não infringir os valores olímpicos para ser reconhecido pela entidade e criar uma organização que possa garantir a obediência às regras e regulamentos do Movimento Olímpico, como combate ao doping e manipulação de resultados por meio de apostas ilegais, por exemplo.

A onde renovadora olímpica está mesmo a todo vapor. Para Tóquio-2020, além das novas modalidades, o público poderá ver as disputas de basquete 3 x 3 e do ciclismo BMX Freestyle, provas que foram incluídas no programa olímpico em junho. No começo de outubro, a GAISF (Associação Global das Federações Esportivas Internacionais)  concedeu o status de “observador” para o poker, pole dance e futebol de mesa, conhecido no Brasil como pebolim ou totó, primeira etapa para um esporte tornar-se olímpico. Agora, vem a declaração oficial do COI abrindo as portas aos e-sports.

Para quem duvidava que uma nova Olimpíada estava a caminho, é bom rever os seus conceitos.

VEJA TAMBÉM:

Pole dance, poker e pebolim (ou totó): mais novidades no programa olímpico? 
COI segue em busca da fonte da juventude 
As mudanças que vão revolucionar as Olimpíadas em 2020. Mas para melhor? 
Polêmica do skate olímpico do Brasil ainda está longe do fim



MaisRecentes

Ao tentar inovar, Fiba cria uma grande confusão no basquete mundial



Continue Lendo

Comissão de Atletas precisar ir além das cartas para buscar seu espaço no COB



Continue Lendo

Do que têm tanto medo os cartolas olímpicos brasileiros?



Continue Lendo