O inferno astral de Coaracy Nunes não tem mais fim



Coaracy Nunes diz que as acusações do MP de São Paulo contra sua gestão são mentirosas. Será? (Crédito: Cleber Mendes)

Coaracy Nunes agora é contestado até pela Fina por conta das investigações do Ministério Público (Crédito: Cleber Mendes)

Coluna publicada na edição desta quinta-feira (3/11) do LANCE! 

Se já não bastassem todos os problemas que está enfrentando com a investigação do Ministério Público de São Paulo, que via liminar obteve seu afastamento da presidência da CBDA (Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos), Coaracy Nunes começa a ser questionado até mesmo onde se considerava salvo: nas esferas mais altas da modalidade.

Acusado de desvio de recursos públicos e fraudes em prestações de contas de convênios junto ao Ministério do Esporte, Coaracy, há quase três décadas no comando da CBDA, passou a ser questionado pela direção da Fina (Federação Internacional de Natação), segundo revelou ontem o site “Inside the Games”, que acompanha o noticiário dos esportes olímpicos em todo o mundo. O brasileiro é um dos integrantes da diretoria da Fina e as acusações apontadas pelo MP-SP despertaram “curiosidade” dentro da entidade.

VEJA TAMBÉM:

>>> Crise na CBDA é o mais novo “legado olímpico” brasileiro 
>>> Desilusão olímpica 
>>> Ressaca olímpica começou mais cedo do que se imaginava

“A Fina foi informada por publicações da mídia a respeito da situação de Coaracy Nunes. Imediatamente solicitamos informações para a CBDA e até que o procedimento da Justiça brasileira seja concluído, não iremos mais fazer comentários sobre este caso”, disse um porta-voz da entidade. A Fina não informou ainda se irá abrir algum processo disciplinar contra o dirigente brasileiro, de 78 anos e que desde 1988 está à frente da CBDA.

Enquanto tenta derrubar a liminar e voltar ao poder, Coaracy ainda tem que administrar o crescimento da chapa de oposição, oficialmente lançada por Miguel Cagnoni, presidente da Federação Aquática Paulista (FAP). Entre suas propostas, ele defende uma maior valorização das federações estaduais e regionalizar a administração dos esportes aquáticos no Brasil, em busca de aumentar para quase 120 mil atletas na base nos próximos quatro anos. A eleição está prevista para acontecer no primeiro trimestre de 2017.

Contestado pela Fina, sofrendo críticas fortes (algumas públicas) de nadadores e vendo o fortalecimento da oposição como nunca ocorrera antes, Coaracy Nunes assiste a cada dia aumentar seu inferno astral. Pelo visto, sem data para acabar.



MaisRecentes

Isaquias Queiroz vai aumentar sua coleção de medalhas no Mundial de canoagem?



Continue Lendo

Brasil estreia em mundiais de badminton e wrestling nesta segunda



Continue Lendo