O inferno astral de Coaracy Nunes não tem mais fim



Coaracy Nunes diz que as acusações do MP de São Paulo contra sua gestão são mentirosas. Será? (Crédito: Cleber Mendes)

Coaracy Nunes agora é contestado até pela Fina por conta das investigações do Ministério Público (Crédito: Cleber Mendes)

Coluna publicada na edição desta quinta-feira (3/11) do LANCE! 

Se já não bastassem todos os problemas que está enfrentando com a investigação do Ministério Público de São Paulo, que via liminar obteve seu afastamento da presidência da CBDA (Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos), Coaracy Nunes começa a ser questionado até mesmo onde se considerava salvo: nas esferas mais altas da modalidade.

Acusado de desvio de recursos públicos e fraudes em prestações de contas de convênios junto ao Ministério do Esporte, Coaracy, há quase três décadas no comando da CBDA, passou a ser questionado pela direção da Fina (Federação Internacional de Natação), segundo revelou ontem o site “Inside the Games”, que acompanha o noticiário dos esportes olímpicos em todo o mundo. O brasileiro é um dos integrantes da diretoria da Fina e as acusações apontadas pelo MP-SP despertaram “curiosidade” dentro da entidade.

VEJA TAMBÉM:

>>> Crise na CBDA é o mais novo “legado olímpico” brasileiro 
>>> Desilusão olímpica 
>>> Ressaca olímpica começou mais cedo do que se imaginava

“A Fina foi informada por publicações da mídia a respeito da situação de Coaracy Nunes. Imediatamente solicitamos informações para a CBDA e até que o procedimento da Justiça brasileira seja concluído, não iremos mais fazer comentários sobre este caso”, disse um porta-voz da entidade. A Fina não informou ainda se irá abrir algum processo disciplinar contra o dirigente brasileiro, de 78 anos e que desde 1988 está à frente da CBDA.

Enquanto tenta derrubar a liminar e voltar ao poder, Coaracy ainda tem que administrar o crescimento da chapa de oposição, oficialmente lançada por Miguel Cagnoni, presidente da Federação Aquática Paulista (FAP). Entre suas propostas, ele defende uma maior valorização das federações estaduais e regionalizar a administração dos esportes aquáticos no Brasil, em busca de aumentar para quase 120 mil atletas na base nos próximos quatro anos. A eleição está prevista para acontecer no primeiro trimestre de 2017.

Contestado pela Fina, sofrendo críticas fortes (algumas públicas) de nadadores e vendo o fortalecimento da oposição como nunca ocorrera antes, Coaracy Nunes assiste a cada dia aumentar seu inferno astral. Pelo visto, sem data para acabar.



MaisRecentes

Maldição do mata-mata acaba com sonho do Brasil no Mundial



Continue Lendo

Guerra das rodinhas: entenda a polêmica sobre o skate olímpico do Brasil



Continue Lendo

Voto popular no Laureus escolherá o Momento Esportivo de 2016



Continue Lendo