Clássico de campeãs no judô brasileiro



O novo ciclo olímpico para a Olimpíada de Tóquio-2020 reservará um clássico de campeãs no judô feminino brasileiro. Neste ano, Sarah Menezes estreia na categoria 52 kg, subindo de peso cinco anos depois do ouro em Londres-2012 nos 48 kg.  O problema é que ela terá uma rival considerável para superar de olho na vaga olímpica: Érika Miranda, principal judoca do país nesta categoria desde 2012.

A mudança não foi à toa para Sarah Menezes. Ela sofreu para se manter no peso no último ciclo olímpico e vinha sofrendo uma forte concorrência de Natália Brígida nos 48 kg, que por pouco não tirou sua vaga para a Rio-2016. Para a piauiense de 26 anos, será um verdadeiro recomeço na carreira.

“Eu estou, praticamente, reiniciando no judô. Então, tudo está sendo importante. São novas adversárias, mais altas e com força diferente. Vou começar do zero, sem nenhuma pontuação no ranking. É um ano de adaptação”, explicou Sarah Menezes”

Exatamente essa adaptação que poderá pesar a favor de Érika Miranda. Vice-campeã mundial em 2013, ouro no Pan de Toronto-2015 e quinta colocada na Rio-2016, a brasiliense tem a experiência a seu favor. Aos 29 anos, Érika tentará usar o período de transição de Sarah Menezes para conquistar importantes pontos no ranking mundial.

Mas ter duas judocas deste nível na mesma categoria será bom para o Brasil? Essa é uma boa pergunta, ainda sem condições de ter uma resposta adequada.

É fato que Sarah não se sentia mais competitiva nos 48 kg e precisava desta mudança até como fator de motivação na carreira. Para Érika, será ótimo ter uma rival que evite sua acomodação. Na primeira competição que as duas disputaram juntas, o Aberto de Sofia, os resultados não foram bons: ambas foram eliminadas nas oitavas de final, sendo que Sarah ainda chegou a ganhar uma luta na fase anterior no golden score (a prorrogação no judô, onde quem marca o primeiro ponto, vence).

Estou curioso para ver como será quando as duas estiverem frente a frente, como poderá ocorrer neste final de semana, no Grand Slam de Paris. O maior problema das brasileiras, contudo, é que elas estão na mesma categoria da ótima Majlinda Kelmendi, a judoca que ganhou na Rio-2016 a primeira medalha de ouro da história do Kosovo.

Brasileiros no Grand Slam

O Grand Slam de Paris, que ocorrerá neste sábado (11) e domingo (12), será o primeiro grande torneio do judô neste ciclo olímpico. O Brasil, pela primeira vez, terá duas campeãs olímpicas na mesma competição. Além de Sarah Menezes, a carioca Rafaela Silva (57 kg) fará sua estreia no ano. Outro medalhista olímpico confirmado em Paris será Rafael Silva, o Baby, na categoria + 100 kg.

Confira abaixo todos os convocados para o Grand Slam de Paris:

Feminino

Larissa Farias 48kg
Érika Miranda 52kg
Sarah Menezes 52kg
Rafaela Silva 57kg
Yanka Pascoalino 63kg
Maria Portela 70kg
Maria Suelen Altheman +78kg

Masculino

Eric Takabatake 60kg
Daniel Cargnin 66kg
Eduardo Yudy Santos 81kg
Victor Penalber 81kg
Luciano Correa 100kg
Rafael Buzacarini 100kg
David Moura +100kg
Rafael Silva +100kg

VEJA TAMBÉM SOBRE O JUDÔ:

O ano perfeito de Majlinda Kelmendi 
Voto popular no Laureus escolherá o Momento Esportivo de 2016 
As medalhas do Brasil no Mundial de judô 
Menos dinheiro faz COB premiar competência com verbas das loterias 
+ Por um mundo olímpico mais feminino 
O calendário 2017 do esporte olímpico 



MaisRecentes

Glória do Pan de 1987 tem que ser exaltada por muitos anos



Continue Lendo

Isaquias Queiroz vai aumentar sua coleção de medalhas no Mundial de canoagem?



Continue Lendo

Brasil estreia em mundiais de badminton e wrestling nesta segunda



Continue Lendo