Cinco coisas que você não sabia sobre o mundial feminino de basquete em 1994



Seleção brasileira posa e faz festa com o troféu do Mundial feminino de 1994 (Crédito: CBB)

Nesta quarta-feira (12), o basquete brasileiro comemora um feito histórico. Há exatos 25 anos, contrariando todas as expectativas, a seleção brasileira conquistou o Campeonato Mundial feminino de 1994, realizado na Austrália. Naquele frio domingo de junho, Dia dos Namorados, o torcedor brasileiro pôde redescobrir sua paixão pelo basquete.

+ O blog está no Twitter. Clique e siga para acompanhar
+ Curta a página do blog Laguna Olímpico no Facebook
+ O blog também está no Instagram. Clique e siga

Aquela foi a última grande conquista de uma modalidade que já foi o segundo esporte nacional. A geração espetacular comandada por Hortência, Paula e Janeth adquiriu o mesmo status do basquete masculino, que foi bicampeão do mundo em 1959 e 1963.

Abaixo, cinco curiosidades ou fatos que você não sabia, ou não se lembrava, sobre aquela conquista:

A glória que veio três anos antes

Não é errado dizer que a vitória em Sydney nasceu um pouco antes. Mais precisamente em 1991, nos Jogos Pan-Americanos realizados em Havana. Claro que não estou comparando o peso de um Pan a de um Mundial, mas aquela conquista serviu como um rito de passagem. A vitória na final sobre Cuba, com direito à reverência de Fidel Castro à Paula e Hortência no pódio, entrou para a história.

O técnico desconhecido

Não foram poucas as pessoas que se assustaram quando Renato Brito Cunha, então presidente da CBB (Confederação Brasileira de Basquete) resolveu inovar e colocou um técnico que poucos conheciam para comandar o time feminino.

Miguel Ângelo da Luz vinha tendo algum sucesso nas categorias de base , mas jamais tinha dirigido um clube feminino antes. Muitos previam que ele não seria aceito pelo grupo. Mas acabou acontecendo justamente o contrário. Segundo Magic Paula, o grande mérito foi a humildade da comissão técnica (o auxiliar Sérgio Maronezzi também nunca havia atuado no feminino) pedir ajuda por suas limitações. E foram acolhidos pelo grupo.

O time desacreditado

Pouca gente acreditava nas chances da seleção no Mundial. Dois anos antes, a equipe havia ficado em 7º (e penúltimo) lugar no torneio feminino de basquete da Olimpíada de Barcelona. No Mundial anterior, havia terminado em 10º.

Até mesmo a imprensa parecia que não colocava muita fé. Apesar de transmitir as partidas do Mundial feminino, a Bandeirantes não estava com equipe no local, já com as atenções voltadas para a cobertura da Copa do Mundo de futebol, nos Estados Unidos. Nos jogos finais, contou com a ajuda do repórter Juarez Araújo, que fazia a cobertura pelo jornal “Gazeta Esportiva”, para colocar entrevistas de jogadoras no ar, por telefone celular (uma novidade na época).

Aliás, só dois jornalistas brasileiros viram o título “in loco”. Além de Araújo, estava também Marcelo Barreto, então repórter do “Globo” e que hoje é apresentador do SporTV.

O fantasma americano

A seleção dos Estados Unidos era o time a ser batido no Mundial feminino de 1994. Teresa Edwards, Ruth Bolton, Sheryl Swoopes, Dawn Staley….era um timaço!

Nos seis primeiros jogos, foram seis vitórias. A que teve menor diferença foi de 18 pontos, sobre as australianas. Até que veio a semifinal diante do Brasil. Com uma atuação magistral de Hortência, que marcou 32 pontos, além de outros 29 de Paula e 22 de Janeth, a seleção venceu por 110 a 107. A frustração das americanas (que ficaram com o bronze naquele Mundial) foi compensada dando o troco no Brasil na final olímpica em Atlanta-1996.

A chegada em clima de Copa

Se na ida para a Austrália nenhum torcedor foi até o Aeroporto de Guarulhos se despedir da equipe, na volta foi completamente diferente. Mesmo chegando à noite, o time foi recepcionado por uma multidão de fãs e dezenas de jornalistas. Foi preciso fazer um esquema especial para que a festa não atrapalhasse a rotina normal do aeroporto.

Apesar da justa homenagem, logo a conquista da seleção feminina ficou em segundo plano. Afinal, poucos dias depois, começava a Copa do Mundo dos Estados Unidos. No país do futebol, isso era mais importante até mesmo do que um feito memorável como daquela seleção.

VEJA TAMBÉM:

+ ‘Corinthians do Ary Vidal’ e os 25 anos de um feito histórico
+ Basquete feminino do Brasil conhece os rivais no Pan de Lima-2019
+ Basquete feminino brasileiro sofre pelos erros do passado



MaisRecentes

‘Maior’ do que vários países do Pan, Pinheiros pede mais apoio aos clubes



Continue Lendo

COI inaugura sede nababesca, mas não resolve o problema das eleições olímpicas



Continue Lendo