Cielo bota o dedo na ferida da CBDA



Prestem bem atenção às palavras de Cesar Cielo, único nadador brasileiro campeão olímpico (ouro em Pequim-2008 nos 50 m livre), ao canal SporTV no último sábado, após sua participação no troféu Maria Lenk, a respeito da situação da CBDA (Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos):

“Não estou voltando para mim, mas voltando pela natação, por um legado. E num momento tão difícil que a natação vem passando, com dirigente na cadeia, chance de perder patrocínio, para mim fez muito sentido voltar. É muito bacana ver a arquibancada cheia, com gente gritando de novo pela natação de novo, para gente sair deste buraco que se enfiou este ano estruturalmente.

 

Já a piscina mostrou que a gente está bem, os resultados estão muito bons, com o Henrique e o Nicolas fazendo os melhores resultados do ano. É bacana ver que os nadadores não se abateram com tudo o que aconteceu fora. Os nadadores estão vivos aí para trazer medalhas no Mundial e a gente espera que o futuro da natação seja mais promissor, mais claro com as eleições que estão chegando em junho e que se Deus quiser a oposição vença e o seu Miguel seja o novo presidente.”

Quando um atleta com o tamanho que Cielo tem para o esporte brasileiro se posiciona desta forma, não pode passar batido. Foi um depoimento contundente, talvez embalado pela emoção de ter voltado às competições em alto nível, após a frustração de não ter obtido índice para a Olimpíada Rio-2016.

Pode-se, inclusive, discutir se Cielo não deveria ter mostrado esta mesma veemência para criticar a CBDA quando estava com o status de campeão olímpico, antes dos Jogos de Londres-2012, quando a antiga gestão de Coaracy Nunes comandava a entidade da mesma forma que levou ao atual estado de coisas.

Se os esquemas de mau uso de verbas públicas dizem respeito apenas ao último ciclo olímpico, investigados pelo Ministério Público e que terminaram com a prisão do ex-presidente e de outros quatro dirigentes, a forma de administrar (mal) os esportes aquáticos do Brasil é a mesma há anos.

Portanto, antes de criticar Cielo pelo posicionamento tardio, é necessário festejar que um campeão olímpico não tenha medo de se posicionar e apoiar o candidato da oposição, Miguel Cagnoni. A eleição da CBDA será no dia 9 de junho.

VEJA TAMBÉM:

Crise na CBDA é o mais novo “legado olímpico” brasileiro 
O triste fim de Coaracy Nunes 
Que a limpeza não fique apenas em Coaracy Nunes 
Tempo de mudanças no esporte brasileiro?



MaisRecentes

Rúgbi feminino do Brasil disputa nova etapa da Série Mundial e seca Espanha



Continue Lendo

Índice para Mundial, estrela confirmada e patrocínio renovado agitam atletismo



Continue Lendo

Dor de barriga atrapalha líder do Giro da Itália de ciclismo. Veja o vídeo



Continue Lendo