Após medalhas no Mundial, Cielo adia decisão de aposentadoria para janeiro



Cesar Cielo deverá esperar mais algumas semanas antes de decidir seu futuro (Crédito: Ricardo Bufolin/Pinheiros)

Animado com seu desempenho e da equipe brasileira no Mundial de piscina curta de Hangzou (CHN), o nadador brasileiro Cesar Cielo adiou por mais algumas semanas o anúncio oficial de sua provável despedida das piscinas.

Nesta quinta-feira (20), em um evento no Esporte Clube Pinheiros para comemorar o resultado dos nadadores da agremiação na competição, entre eles três integrantes do revezamento campeão do 4 x 200 m livre, Cielo afirmou que em janeiro deverá ter uma definição se seguirá ou não com sua carreira.

“Eu tinha colocado como meta uma decisão final em janeiro. Se me perguntar agora, com certeza vou dizer que não quero sair de perto piscina”, disse Cielo, que ficou empolgado com todo o clima que envolveu a competição. “Foi um dos campeonatos mundiais mais bonitos que participei. A piscina estava em cima de uma quadra de tênis de uma arena especial. Ainda estou empolgado com tudo o que aconteceu. Mas agora quero sentar e planejar meu futuro com calma”, afirmou o nadador.

Na China, Cesar Cielo conquistou duas medalhas de bronze, ambas em revezamentos: uma no 4 x 100 m livre e outra no 4 x 50 m medley (prova em distância não olímpica).

Este resultado lhe trouxe ainda uma outra conquista pessoal. Com estes 19 pódios ao longo de sua carreira, Cesar Cielo tornou-se o maior medalhista do esporte brasileiro em campeonatos mundiais.

Campeão olímpico em Pequim-2008 e bronze em Londres-2012 nos 50 m livre, além de ter um bronze olímpico nos 100 m livre em 2008, Cesar Cielo já havia sinalizado que poderia encerrar sua carreira após o Mundial da China. Mas aos 31 anos, em boa forma física e o fato de ter conquistado duas medalhas em Hangzou deixaram o nadador de Santa Bárbara D’Oeste (SP) com um ponto de interrogação

“O importante é saber se vou sentir as saudades do treinamento, da piscina. Se isso acontecer, vai me ajudar a tomar a decisão final. Se perceber que tenho gás para continuar treinando, vou seguir. Por enquanto, não vou tomar nenhuma decisão final”, afirmou.

“O que me motivaria a continuar é o desafio diário, buscar tempos melhores. Isso é algo que sempre gostei, desta adrenalina de competição.  Mas pensar que precisaria treinar para buscar tudo o que já conquistei é complicado também. Essa parte mental, que é necessária para ser campeão olímpico ou mundial, não tenho tão aflorado por ter já conquistado tudo isso”, analisou.

Futuro promissor

Independentemente da decisão que irá tomar em janeiro, Cielo entende que já cumpriu sua missão na natação brasileira. “Os resultados que vimos no Mundial mostra um futuro promissor para estes revezamentos, o do 4 x 100 m livre e esse 4 x 200 m livre. São nossas duas prioridades no futuro. Agora é com eles. Eu já estou numa fase em que estou estudando outras prioridades para minha vida. Eles estão entrando numa fase importante para Tóquio-2020, como recordistas mundiais. Ninguém chega nesta condição por acaso. Fico feliz que a natação brasileira siga formando grandes nadadores para continuar conquistando ótimos resultados”, afirmou Cielo.

Além de Cesar Cielo, também foram homenageados pelo Pinheiros nesta quinta-feira três dos integrantes do revezamento 4 x 200 m livre, que levou a medalha de ouro e bater o recorde mundial da prova (6min46s81). Competiram pelo clube paulista Luiz Altamir Melo, Leonardo Santos e Breno Correia. O quarto integrante, Fernando Scheffer, compete pelo Minas Tênis Clube.

VEJA TAMBÉM:

Cielo bota o dedo na ferida da CBDA 
Cesar Cielo faz o que a CBDA deveria fazer 
Porque o Mundial de piscina curta traz otimismo à natação do Brasil em Tóquio



MaisRecentes

Com ‘estrangeiras’, handebol feminino do Brasil define equipe para o Pan de Lima



Continue Lendo