CBDA acerta ao trazer Ricardo Prado



Gustavo Licks, interventor da CBDA, e Ricardo Prado, novo coordenador geral da entidade (Crédito: Divulgação)

Gustavo Licks, interventor da CBDA, e Ricardo Prado, novo coordenador geral da entidade (Crédito: Divulgação)

Depois da pior semana de sua existência, quando viu um ex-presidente de quase três décadas ir para a cadeia, a CBDA finalmente criou a chamada “agenda positiva”. O termo, bastante comum nas assessorias de imprensa e marketing, refere-se a divulgar um fato que melhore a imagem de um cliente com problemas. E existe melhor “agenda positiva” do que anunciar o ex-nadador Ricardo Prado como novo coordenador geral de esportes da CBDA?

Medalha de prata na Olimpíada de Los Angeles-1984 e campeão mundial de 1982 em Guayaquill (EQU), sempre nos 400 m medley, Prado foi anunciado nesta terça-feira pelo interventor Gustavo Licks. O advogado foi designado pela Justiça como interventor na CBDA, que vive uma crise política e financeira profunda. A antiga diretoria, encabeçada por Coaracy Nunes, foi afastada em março e um impasse jurídico vem atravancando a realização da eleição.

Após a operação deflagrada pela Polícia Federal na semana passada, quando Coaracy e seus principais diretores foram presos, a direção dos Correios, principal patrocinador da CBDA, ameaça romper o contrato. Por isso, a decisão de anunciar um dos maiores nomes da natação brasileira para ocupar um importante cargo na confederação me parece ter sido muito acertada.

Mas que ninguém pense que os elogios são inspirados somente no glorioso passado de Prado nas piscinas. Não acredito que somente pelo fato de ter sido atleta de sucesso o transformará automaticamente em um dirigente ideal. O francês Michel Platini, um dos maiores jogadores da história do futebol, foi suspenso por oito anos pela Fifa por suspeita de corrupção. Aqui no Brasil, Patrícia Amorim, uma ex-nadadora olímpica, teve uma atuação terrível como presidente do Flamengo, deixando o clube sob muitas críticas.

Ricardo Prado chega à CBDA respaldado em várias experiências administrativas no mundo esportivo. Participou do comitê organizador dos Jogos Pan-Americanos Rio-2007 e foi o gerente de esportes aquáticos da Olimpíada Rio-2016. Ou seja, não é um iniciante na vida de dirigente. Além do mais, ajudará a recuperar a credibilidade perdida pela entidade após tantos escândalos.

Se os esportes aquáticos do Brasil vivem um momento de caos, a contratação de Ricardo Prado pode trazer um pouco de paz a um ambiente que vive em permanente tsunami.

Assista abaixo o trailer do documentário “Seguindo a Linha: a História de Ricardo Prado:

VEJA AINDA:

Crise na CBDA é o mais novo “legado olímpico” brasileiro 
Com atraso, CBDA cancela assembleia e eleição está indefinida 
Que a limpeza não fique apenas em Coaracy Nunes 
O triste fim de Coaracy Nunes 
Falta patrocínio no esporte brasileiro? O rúgbi não tem do que reclamar



MaisRecentes

Qual sua dupla de mascotes preferida para os Jogos de Tóquio-2020?



Continue Lendo

Eliminação no Mundial precisa servir de aprendizado para o handebol do Brasil



Continue Lendo