Do que têm tanto medo os cartolas olímpicos brasileiros?



O presidente Paulo Wanderley comanda a Assembleia do COB que definiu o novo estatuto da entidade  (Crédito: Rafael Bello/COB)

Anote em um folha ou dê um print na tela do computador e guarde bem os seguintes nomes de presidentes de confederações olímpicas do Brasil.

Mauro Silva – CBBoxe (Confederação Brasileira de Boxe)
João Tomasini – CBCa (Confederação Brasileira de Canoagem)
Manoel Oliveira – CBHb (Confederação Brasileira de Handebol)
Luciene Resende – CBG (Confederação Brasileira de Ginástica)
Enrique Montero – CBLP (Confederação Brasileira de Levantamento de Peso)
Henrique Meirelles Cardoso – CBPM (Confederação Brasileira de Pentatlo Moderno)
Edson Altino Pereira Júnior – CBR (Confederação Brasileira de Remo)
José Luiz Vasconcellos – CBC (Confederação Brasileira de Ciclismo)
Alberto Maciel Júnior – CBTKD (Confederação Brasileira de Taekwondo)
Alaor Azevedo – CBTM (Confederação Brasileira de Tênis de Mesa)
Durval Balen – CBTE (Confederação Brasileira de Tiro Esportivo)
Vicente Fernando Blumenschein – CBTA (Confederação Brasileira de Tiro com Arco)
Walter Pitombo Laranjeiras – CBV (Confederação Brasileira de Vôlei)
Rafael Westrupp – CBT  (Confederação Brasileira de Tênis)
Pedro Gama Filho – CBW (Confederação Brasileira de Wrestling)

Estes 15 cartolas foram responsáveis por impedir que o movimento olímpico brasileiro desse um passo gigante rumo à modernização e transparência na gestão esportiva. Os 15 dirigentes acima citados ajudaram a barrar nesta quarta-feira (22) um importante item na divulgação do novo estatuto do COB (Comitê Olímpico do Brasil). Com os votos contrários dos 15 iluminados cartolas supracitados, foi impedida a presença de 12 atletas com direito a voto na Assembleia Geral da entidade. Ao invés disso, aprovou-se a presença de apenas cinco integrantes da comissão de atletas.

Antes que algum precipitado resolva apedrejar o blogueiro, é necessário reconhecer que houve uma evolução tremenda no novo estatuto aprovado nesta quarta. Há uma enorme mudança em relação ao período em que o COB tornou-se praticamente um feudo de seu ex-presidente, Carlos Nuzman, que entregou o cargo quando ainda estava dentro do presídio de Benfica, no Rio.

Foi aprovada, por exemplo, a permissão para que qualquer brasileiro, maior de 18 anos e indicado por três confederações, possa participar da eleição para a presidência do COB. Criou-se também um Conselho de Ética, com seus cinco membros eleitos individualmente pela Assembleia. Mudou-se a forma de eleição para o Conselho Fiscal, com membros também escolhidos pela Assembleia e houve a criação de uma liderança de conformidade.

+ O blog está no Twitter. Clique e siga para acompanhar
+ Curta a página do blog Laguna Olímpico no Facebook
+ O blog também está no Instagram. Clique e siga 

São todas medidas que merecem ser exaltadas. Mas os cartolas retrógrados conseguiram impedir que mais atletas tivessem poder de voto. Concentraram o poder nas mãos dos mesmos.

Fico aqui me perguntando do que têm medo os 15 nobres comandantes das gloriosas confederações que votaram contra esta proposta.

Registre-se que entre os dirigentes contrários, encontram-se vários que há décadas estão no poder e outros bastante enroscados com processos na Justiça e acusações de mau uso de verbas públicas. Talvez as coisas estejam interligadas, vá saber…

É necessário ainda que se façam duas outras observações. A Assembleia desta quarta-feira teve algumas questões mal explicadas. A principal delas, o voto não computado da CBRu (Confederação Brasileira de Rúgbi). O presidente Eduardo Mufarej alega ter registrado em ata seu voto, antes de deixar a reunião por motivos pessoais. Como não estava presente, Alaor Azevedo, do tênis de mesa, propôs que o voto do rúgbi fosse anulado. Se validado, haveria empate em 30 votos e caberia ao presidente do COB, Paulo Wanderley, desempatar.

A CBRu ameaça entrar na Justiça para anular a Assembleia desta quarta-feira. Seria um vexame inimaginável pára uma gestão que chegou prometendo uma nova cara ao COB. A Atletas pelo Brasil, que teve participação importante nas sugestões do novo estatuto, imediatamente soltou uma nota repudiando a decisão. Outra ONG que atuou na elaboração do novo estatuto, a Sou do Esporte, também publicou um duro comunicado em sua página no Facebook, lembrando que as confederações fizeram valer a lei da mordaça para os atletas.

Ter mais atletas com direito a voto não significa que automaticamente o esporte olímpico brasileiro teria todos os seus problemas resolvidos. Basta lembrar que Carlos Arthur Nuzman foi atleta olímpico, por exemplo. Mas haveria um efeito renovador e quem sabe, até trazendo pontos positivos para a nova gestão do COB. Pena que os 15 gênios da cartolagem não deixaram.

VEJA TAMBÉM:

Pressão por mudanças no COB chega até do ministério do Esporte 
O caminho para o COB iniciar uma nova era 
COB vê punição diminuir, mas segue sem receber verbas do COI 
COB não pode ser tímido em suas reformas



MaisRecentes

Qual sua dupla de mascotes preferida para os Jogos de Tóquio-2020?



Continue Lendo

Eliminação no Mundial precisa servir de aprendizado para o handebol do Brasil



Continue Lendo