Após quase 30 anos, cartola do handebol é afastado da confederação brasileira



Manoel Luiz Oliveira, ao lado de seu vice- Ricardo Souza, durante a eleição da CBHb, em fevereiro (Crédito: Divulgação)

Manoel Luiz Oliveira, ao lado de seu vice- Ricardo Souza, durante a eleição da CBHb, em fevereiro (Crédito: Divulgação)

Primeiro, foi no basquete, depois nos esportes aquáticos e também no taekwondo. Nesta quinta-feira (4), foi a vez do handebol brasileiro experimentar uma troca de comando. Mesmo de forma indireta, por decisão do STJD, a CBHb (Confederação Brasileira de Handebol) terá um novo presidente, depois de quase 30 anos. Manoel Luiz de Oliveira teve sua eleição, realizada no início deste ano, impugnada. Um novo pleito deverá ser convocado em até no máximo 40 dias.

Oliveira era um dos mais longevos cartolas no esporte olímpico brasileiro. Com a saída de Coaracy Nunes da CBDA (Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos), preso por acusação de desvio de recursos públicos, e agora de Oliveira, a lista dos dirigentes eternos vai ficando mais reduzida. O “líder” agora é João Tomazini Schwertner, que comanda a CBCa (Confederação Brasileira de Canoagem) desde 1989.

Embora o handebol brasileiro tenha experimentando um período de indiscutível crescimento técnico nos últimos anos, a gestão da CBHb tem sido caótica. A mesma modalidade que viu o Brasil ser campeão mundial feminino em 2013 sofre com inúmeras dificuldades financeiras. A oposição da entidade baseou-se para fazer as denúncias que derrubaram Oliveira após uma série de reportagens do site “Jogo Limpo”, do portal ESPN.

São diversas denúncias de fraudes em prestações de conta, superfaturamento, atraso no pagamento de bolsas-atletas das seleções, entre outras irregularidades. Outro grande vexame é uma dívida da confederação com a IHF (Federação Internacional de Handebol), por conta da realização do Mundial feminino em São Paulo, em 2011. O valor chegou a ter parcelas abatidas, mas ainda está em cerca de R$ 2 milhões.

Uma fonte ouvida pelo blog revelou que Manoel Luiz Oliveira ainda tem uma carta na manga para permanecer no poder. Um agravo, obtido no último dia 2, anularia todos os atos do STJD. Mas como o tribunal esportivo já tomou a decisão de impugnar a eleição e afastar Oliveira, teoricamente não tem valor. A tendência é que o dirigente tente se apegar a este agravo para tentar se manter na CBHb.

Como o STJD não chegou a ser notificado, deverá ocorrer uma audiência de conciliação na próxima semana, na qual as partes irão definir a situação jurídica da confederação.

Há um outro problema, que pode respingar dentro da quadra. Daqui a a 50 dias, ocorrerá o Campeonato Pan-Americano feminino, classificatório para o Mundial. Até agora, a Seleção Brasileira não tem técnico, desde a saída de Morten Soubak. Se ocorrer um impasse jurídico para a nova eleição, a participação da Seleção está ameaçada.

VEJA TAMBÉM:

Que a limpeza não fique apenas em Coaracy Nunes 
Com atraso, CBDA cancela assembleia e eleição está indefinida 
CBDA acerta ao trazer Ricardo Prado 
Tempo de mudanças no esporte brasileiro? 
+ Fora da Odepa, Nuzman precisa se preocupar com o esporte do Brasil



  • porfiriozl

    Esses dinossauros tem é mais que dar espaço para outros mais jovens, pois infelizmente é muita gente dirigindo nos esportes somente para atender os próprios interesses. Vamos renovar já!

  • porfiriozl

    Nosso país tem condições de ser (super)potência nos diversos esportes, infelizmente é muita gente ruim presidindo os mais variados esportes, pessoas sem honestidade, ética e competência técnica atrapalham demais os rumos do Brasil nas competições internacionais, e o pior é que para os estrangeiros somos piada, enfim, motivos de chacota no exterior. Até quando a organização, seriedade e respeito ao esporte brasileiro vai voltar? É muita gente retrógrada e desonesta comandando cada qual uma modalidade esportiva, ora para se enriquecer ilicitamente ou para se promover como trampolim no âmbito da política, que também é perversa, nos causando indignação e descrédito.

MaisRecentes

COI volta a se preocupar com os custos dos Jogos de inverno. Mas os de 2026



Continue Lendo

Pole dance, poker e pebolim (ou totó): mais novidades no programa olímpico?



Continue Lendo