Crítico da Rio-2016 pode melar sonho de Nuzman na Odepa



Com o desafio cumprido de organizar as Olimpíadas e Paralimpíadas Rio-2016 – embora ainda com dívidas junto a prestadores de serviço e torcedores que não receberam o reembolso de ingressos revendidos – Carlos Nuzman tem como foco em 2017 mais do que seguir na presidência do COB: conseguir vencer a eleição para comandar a Odepa (Organização Desportiva Pan-Americana).

Depois de anunciar publicamente o desejo de concorrer ao cargo no último mês de novembro, após reunião realizada durante o congresso da Anoc (Associação dos Comitês Olímpicos Nacionais), em Doha (QAT), Nuzman manteve um silêncio estratégico neste final de ano, evitando até mesmo falar sobre seus projetos para a Odepa, caso fosse eleito.

A Assembleia Geral da entidade, que irá determinar seu novo presidente, está marcada para ocorrer nos dias 27 e 28 de abril, na cidade de Montevideo (URU). A Odepa é responsável pela organização dos Jogos Pan-Americanos, cuja próxima edição acontecerá em Lima, no Peru, em 2019.

Além de Nuzman, sabe-se que outros quatro candidatos manifestaram intenção de disputar o cargo. São eles Keith Joseh (secretário-geral do comitê de São Vicente e Granadinas), Richard Peterkin (representante no COI de Santa Lúcia), José Joaquín Puello (República Dominicana) e Neven Ilic (presidente do comitê olímpico do Chile).

VEJA TAMBÉM:

>>> O que esperar da ‘nova’ Era Nuzman? 
>>> Rio 2016 ainda aguarda laudo da OMS sobre água da Baía de Guanabara 
>>> Esporte olímpico em marcha à ré 
>>> Desilusão olímpica 
>>> Crise na CBDA é o mais novo “legado olímpico” brasileiro

A princípio, até pelo seu papel recente no movimento olímpico internacional, Nuzman não teria maiores problemas em vencer uma eleição com estes rivais. O problema é que pode aparecer um candidato com peso político no mínimo equivalente: o atual presidente da Odepa, o uruguaio Julio Maglione. Ele assumiu o cargo de forma interina, após a morte do mexicano Mario Vazquez Raña, em fevereiro de 2015.

A notícia da possível candidatura de Maglione foi dada na edição de domingo do jornal “Folha de S. Paulo”. Nos últimos tempos, o uruguaio estaria mostrando interesse em tentar seguir no cargo.

Além da dificuldade natural em enfrentar alguém que já está no poder e conta com a “máquina política” a favor, Nuzman teria um outro fator para se preocupar neste possível embate com o uruguaio. Durante a preparação para a Rio-2016, Maglione, que também ocupa a presidência da Fina (Federação Internacional de Natação) fez críticas duríssimas à organização da Olimpíada brasileira.

Em setembro de 2015, Maglione enviou carta ao comitê Rio-2016 (que era presidido por Nuzman, é bom lembrar) e ao então prefeito Eduardo Paes, sem aliviar nas palavras.

“As recentes decisões do Senhor Eduardo Paes estão denegrindo seriamente a imagem e os valores da Fina e suas modalidades. A situação é um claro desrespeito aos requerimentos da Fina sobre as arenas aquáticas e vão afetar negativamente as condições de segurança e o nível das performances dos atletas. As condições da água em Copacabana podem colocar em risco não apenas o desempenho dos atletas, como também sua saúde”, dizia parte da carta da Fina, assinada por Maglione.

O maior alvo das críticas era a capacidade do Estádio Aquático, instalação provisória localizada no Parque Olímpico e que teve capacidade de 12.500 lugares. A Fina argumentava na época que foi uma queda no padrão olímpico, pois em Londres-2012 o centro aquático tinha condições de receber 17.500 pessoas.

Caso confirme mesmo a intenção de tentar permanecer no poder, Julio Maglione certamente será uma pedra no sapato e tanto nos planos de Carlos Nuzman em conseguir o poder no esporte das Américas.

 



MaisRecentes

As falhas de Isadora Williams não diminuem sua grandeza em PyeongChang



Continue Lendo

Campeã olímpica Rafaela Silva sofre racismo da PM no Rio de Janeiro



Continue Lendo

Heróis de PyeongChang #5: seleção americana feminina de hóquei no gelo



Continue Lendo