Caio Bonfim pode ser a boa surpresa do atletismo brasileiro em 2017



O brasileiro Caio Bonfim comemora o título dos 20 km na etapa de Taicang (Crédito: Divulgação)

O brasileiro Caio Bonfim comemora o título dos 20 km na etapa de Taicang (Crédito: Divulgação)

O principal evento do atletismo nesta temporada será o Campeonato Mundial marcado para Londres, em agosto. Para o Brasil, é óbvio, as atenções estarão todas voltadas para o campeão olímpico no salto com vara, Thiago Braz. Mas que ninguém se espante se outro nome surgir com chance de obter um ótimo resultado em terras britânicas. O brasiliense Caio Bonfim pode ser uma boa surpresa para o torcedor brasileiro em 2017.

Neste sábado, Bonfim faturou a medalha de ouro na marcha atlética de 20 km na etapa de Taicang (CHN) do Circuito Mundial de marcha atlética da Iaaf (Associação das Federações Internacionais de Atletismo). ele completou a prova com o tempo de 1h22min16s, ratificando o índice para o Mundial, que havia obtido em Portugal (1h22min13s), há duas semanas.

Depois de um surpreendente quarto lugar na Olimpíada Rio-2016, Caio Bonfim vem mostrando, com resultados, que sonhar com voos mais altos no Mundial de Londres não é impossível. Nesta temporada, vem evoluindo nas etapas disputadas do Circuito de marcha atlética: ficou em 21º lugar em Ciudad Juarez (MEX), quando cravou 1h26min47, e depois em 7º em Rio Maior (POR), quando assegurou seu índice. Neste sábado, veio o ouro. “A preparação está sendo muito bem cuidada porque o objetivo é chegar na melhor forma no Mundial”, diz Bonfim.

Erica em quarto

A etapa de Taicang teve também a participação de outro nome forte na marcha atlética do Brasil. A pernambucana Erica Rocha de Sena terminou em quarto lugar na prova dos 20 km, com o tempo de 1h31min31s.  O ouroi ficou para a chinesa Xiuzhi Lu (1h31min01s).

Nada mal para quem já tinha assegurado o índice para o Mundial e também mostrou que a regularidade tem sido o ponto forte de Erica na temporada. A etapa chinesa foi a primeira no Circuito Mundial em que ela não subiu ao pódio. Havia sido prata em Ciudad Juarez (1h30min49s) e ouro em Monterrey (1h32min07), ambas no México. Na Rio-2016, a brasileira era cotada para ganhar medalha, mas terminou apenas em sétimo lugar nos 20 km.

VEJA TAMBÉM:

Escândalo do doping deve deixar a Rússia fora do Mundial de atletismo 
Rudisha vai atrás de novo ouro em Tóquio. Cnheça outros tricampeões no atletismo 
Thiago Braz derrota Lavillenie na primeira prova de 2017 no salto com vara 
Thiago Braz sonha com voos mais altos