Brasil Olímpico (3)



Reportagem do Globo deste domingo (11/10/09)

Rio 2016: Ministério Público Federal investiga candidatura olímpica

RIO – Vencida a disputa para sediar as Olimpíadas 2016, as atenções se voltam agora para a transparência dos gastos na preparação da candidatura do Rio.

O Ministério Público Federal (MPF) abriu inquérito para apurar por que não foram realizadas licitações para contratar empresas que elaboraram o projeto, financiado com dinheiro público, apresentado ao Comitê Olímpico Internacional (COI).

Despesas com consultorias internacional e nacional, além de gastos operacionais e salários de funcionários contratados pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB) – a remuneração variou de R$ 3.300 a R$ 34 mil – foram pagos com verba pública, do Ministério do Esporte.

A maior parte do dinheiro, cerca de R$ 48 milhões, foi repassada ao COB, que, por sua vez, contratou os serviços a partir de critérios próprios.

O COB alega ser empresa privada e se exime da responsabilidade por fazer licitações.

A dispensa de licitações também já está sendo analisada pelo Tribunal de Contas da União (TCU) e pela Controladoria Geral da União (CGU).

O procurador da República em Brasília Paulo Roberto Galvão de Carvalho afirmou que vai analisar os argumentos jurídicos usados pelo ministério e pelo COB para não fazer licitações.

No inquérito, aberto no primeiro semestre, o procurador lembrou que o procedimento é necessário porque o TCU já apontou “uma série de irregularidades no uso de recursos para o financiamento dos Jogos Pan-Americanos de 2007”.

O MPF já requereu ao TCU documentos sobre os convênios assinados entre o ministério e o COB desde o fim de 2007. O procurador aguarda ainda a conclusão das prestações de contas dos gastos do COB enviados ao ministério.

– O COB realizou contratações sem licitação. A lei de licitações prevê ressalvas, e estamos verificando os critérios de inelegibilidade para dispensar a concorrência. Já pedimos para o TCU nos informar o que foi apurado até o momento. Recebemos uma denúncia e vamos apurar – explicou Carvalho.

O COB contratou nove empresas brasileiras de consultoria e prestação de serviços para a elaboração do dossiê da candidatura Rio 2016 entregue ao COI.

O custo total dos contratos assinados sem licitação foi de R$ 3,5 milhões, entre 2008 e 2009.



MaisRecentes

Correria japonesa? Brasil já pensa nas oitavas do Mundial de handebol



Continue Lendo

‘Paredão’ Maik deixa Seleção Brasileira viva no Mundial de handebol



Continue Lendo

Rúgbi do Brasil inicia temporada de olho nos Jogos de Tóquio-2020



Continue Lendo