Brasil pode ter equipe menor no boxe na Rio 2016 do que em Londres 2012



Juan Nogueira assegurou sua vaga nas Olimpíadas do Rio 2016 no Pré-Olímpico das Américas (Crédito: Divulgação)

Juan Nogueira assegurou sua vaga nas Olimpíadas do Rio 2016 no Pré-Olímpico das Américas (Crédito: Divulgação)

A participação do boxe brasileiro no Pré-Olímpico das Américas, encerrado neste sábado (19) em Buenos Aires (ARG) rendeu três medalhas de bronze e somente uma vaga aos Jogos Rio 2016. Ela veio na categoria 91 kg, com a terceira colocação de Juan Nogueira, que assim ampliou a delegação do Brasil na Olimpíada. Agora, são 410 os atletas brasileiros classificados.

As demais medalhas brasileiras no Pré-Olímpico vieram no feminino, com Graziele Jesus (51 kg) e Andreia Bandeira (75 kg) que ficaram em terceiro lugar em suas respectivas categorias – mas ao contrário do masculino, entre as mulheres apenas as duas primeiras colocadas no Pré-Olímpico carimbavam o passaporte para a Rio 2016.

>>> Confira todos os brasileiros já classificados para a Rio 2016

O resultado na Argentina, contudo, também serve de alerta para o boxe olímpico nacional. Com oito lutadores já qualificados para a Olimpíada (sete no masculino e um no feminino), o Brasil corre o risco de ter em casa uma equipe menor do que aquela que competiu nos Jogos anteriores, realizados em Londres, há quatro anos.

Na ocasião, o Brasil foi representado por dez lutadores, dos quais três eram mulheres. Foi em Londres 2012 que o boxe feminino marcou sua estreia em Olimpíadas.

>>> Veja ainda: Medalhas no tênis e judô são o destaque em nova prévia do Brasil para a Rio 2016

A CBBoxe (Confederação Brasileira de Boxe) estava contando ter ao menos nove classificados a esta altura, pois era dada como certa a classificação de Clélia Costa, bronze na categoria 51 kg e considerada favorita para brigar por uma das medalhas no Rio. Só que em novembro do ano passado ela foi pega em um exame antidoping surpresa e acabou suspensa por um ano.

Ainda existem duas possibilidades para o boxe do Brasil ampliar sua delegação olímpica. A primeira será no mês de maio, durante o Campeonato Mundial feminino, que será disputado no Cazaquistão; a segunda será no Pré-Olímpico Mundial, previsto para ocorrer em junho, no Azerbaijão. É mais fácil que venha das mulheres a ajuda para que a equipe olímpica de boxe ao menos iguale o total de atletas que competiram em Londres 2012.



MaisRecentes

Governo rebatiza programa ‘Atleta Pódio”, de olho em Tóquio-2020



Continue Lendo

Tragédia das enchentes no Peru deixa Pan de Lima-2019 na berlinda



Continue Lendo