Boxe brasileiro conhece rivais para a estreia no Mundial de Hamburgo



Com cinco lutadores, Brasil estreia no Mundial de boxe em Hamburgo nesta sexta-feira (Crédito: CBBoxe)

O boxe brasileiro inicia nesta sexta-feira (25) sua caminhada no Campeonato Mundial da modalidade. A competição acontecerá em Hamburgo (ALE) , reunindo 280 lutadores representando os cinco continentes. A competição vai até o próximo dia 2. Nesta quinta-feira, foi realizado o sorteio das chaves das dez categorias. Com uma equipe composta por cinco boxeadores, o Brasil já sabe quem serão os rivais da estreia.

+ O blog está no Twitter. Clique e siga para acompanhar
+ Curta a página do blog Laguna Olímpico no Facebook
+ O blog também está no Instagram. Clique e siga 

Nesta sexta, Joedson Teixeira (64 kg) terá pela frente o irlandês Sean McComb, quinto colocado no último Campeonato Europeu. Outro que sobe ao ringue na abertura do Mundial é o pesado Juan Nogueira (91 kg), que vai duelar contra Antony Varela, da Costa Rica.

Sem poder contar mais com Robson Conceição, campeão olímpico na Rio-2016 e com duas medalhas em Mundiais (prata em 2013 e bronze em 2015), o boxe masculino do Brasil inicia o ciclo olímpico para Tóquio-2020 tentando ampliar sua coleção de pódios. Desde 1986, o boxe brasileiro já faturou seis medalhas em campeonatos mundiais, somente uma de ouro, com Everton Lopes, em 2011.

As demais estreias dos brasileiros em Hamburgo:

Leve (60 kg)Wanderson Oliveira, que disputa seu primeiro Mundial, fará sua primeira luta no domingo (27), diante de Nicholas Okoth, do Quênia, atual campeão africano na categoria.

Meio médio (69 kg) – Jhonatan Soares é outro estreante em Mundiais e começa de cara pegando o inglês Pat McCormack.

Meio pesado (81 kg) – O último a estrear na Alemanha será Michel Borges, apenas na segunda-feira (28), quando enfrentará o vencedor da luta entre Shabbos Negmatulloev, do Tajiquistão, e Nuryagd Nuryadyyev do Turcomenistão.

VEJA TAMBÉM:

Mundiais seguem agitando agosto 
O calendário 2017 do esporte olímpico 
As mudanças que vão revolucionar as Olimpíadas em 2020. Mas para melhor?
Orçamento de Tóquio-2020 prova que a conta do COI não fecha