Bola dentro do atletismo brasileiro



Está certo que o ano mal começou, mas a melhor notícia até agora no esporte olímpico brasileiro veio da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt), que anunciou na última terça-feira (5) uma mudança significativa em seu estatuto: a partir de agora, a entidade permitirá a participação de atletas e técnicos nas Assembleias Gerais. Ou seja, trata-se da primeira confederação nacional a dar direito a voto para quem realmente faz o esporte existir.

Por enquanto, ainda não se trata de uma abertura geral, é bom que se diga. Poderão participar das decisões da CBAt os 11 medalhistas olímpicos vivos e quatro treinadores destes atletas.

 Os atletas com direito a voto são os seguintes: André Domingos, Arnaldo de Oliveira, Claudinei Quirino, Cláudio Roberto Souza, Edson Luciano Ribeiro, Joaquim Cruz, Maurren Maggi, Nelson Prudêncio, Robson Caetano, Vanderlei Cordeiro de Lima e Vicente Lenílson. Também terão presença assegurada nas Assembleias Gerais da CBAt os treinadores Carlos Alberto Cavalheiro, Luiz Alberto de Oliveira, Nélio Moura e Ricardo D’Angelo.

Particularmente, senti que a única falha na lista da CBAt foi a ausência do nome do técnico Pedro Henrique de Toledo, o Pedrão, que foi o treinador de João Carlos de Oliveira, o João do Pulo, na conquista de suas duas medalhas de bronze (Montral-76 e Moscou-80). Entendo que por sua história no atletismo, a presença de Pedrão seria obrigatória.

Mas a iniciativa da CBAt é digna de todos os elogios.Não sei se todos os atletas acima citados têm a consciência do poder que lhes foi concedido. Dentro da estrutura ditatorial existente no esporte brasileiro (e que ninguém cite a comissão de atletas do COB como exemplo de democracia, porque aquilo lá é uma piada), o passo dado à frente pelo atletismo do Brasil foi gigantesco.

 



MaisRecentes

Jornal canadense levanta dúvidas sobre caso Ben Johnson



Continue Lendo

Vitória histórica pode fazer Brasil superar ‘grupo da morte’ no Mundial de handebol



Continue Lendo