Adeus de Bolt, poucos recordes e novas caras: o balanço do Mundial de atletismo



* Texto de análise do Campeonato Mundial de atletismo, encerrado neste domingo, que escrevi a convite do Yahoo Esportes

O encerramento do Campeonato Mundial de atletismo no último domingo (13) deixou uma inevitável sensação de festa incompleta para muita gente. O desempenho decepcionante do astro jamaicano Usain Bolt foi fator preponderante para isso. Após a surpreendente derrota no dia 5, na final dos 100 metros, fato que só tinha ocorrido uma vez, em 2011, por uma desclassificação em razão de largada falsa, esperava-se a redenção no revezamento 4 x 100 m, sábado (12).

Só que a cena de Bolt mancando forte e depois caindo no chão gritando de dor, jogou um balde de água fria nos organizadores, que sonhavam em ver o astro jamaicano se despedir, se não com o ouro, ao menos subindo ao pódio pela última vez. Ao invés disso, a decepção de ver o maior ídolo do atletismo mundial saindo cabisbaixo, acenando timidamente para os aplausos do público que reconhecia ali que acabava uma era no esporte.

Primeira grande competição do atletismo após a Rio-2016, o Mundial de Londres coincidentemente deixou também um grande ponto de interrogação para a Jamaica. Se tinha em Bolt seu grande líder, a equipe jamaicana já pôde sentir na pista do Estádio Olímpico que os próximos anos prometem se complicados.

Enquanto que na edição anterior (Pequim-2015) a Jamaica ficou em segundo lugar no quadro de medalhas, com 12 no total (sete de ouro), em Londres os caribenhos amargaram um 16º lugar, empatados com a Holanda, com quatro medalhas (somente uma de ouro). Em compensação, os Estados Unidos ressurgiram como grande força mundial, liderando com folga o quadro de medalhas, com 30 pódios (dez de ouro).

Favoritos decepcionaram

Além de Bolt, outros favoritos contrariaram as expectativas em Londres. A jamaicana Elaine Thompson, campeã olímpica nos 100 m na Olimpíada Rio-2016, passou longe do pódio, ficando em quinto lugar e nem disputando os 200 metros, prova em que também foi campeã olímpica. Ídolo local, Mo Farah despediu-se das provas de pista (passará a correr a maratona) sem ter alcançado o objetivo de se sagrar tetracampeão mundial nos 5.000 m, mas ao menos festejou o tri nos 10.000 metros.

Londres viu raros recordes serem batidos – apenas um mundial, nos 50 km da marcha atlética feminina, e três do campeonato -, mas também consagrou nomes que poderão brilhar nos próximos anos, como o sul-africano Wayde van Niekerk, campeão nos 400 m e prata nos 200 m. Esta prova, dominada por Usain Bolt nos últimos dez anos, viu a surpreendente vitória do turco Ramil Guliyev, porém com um tempo muito fraco, 20s09. Como comparação, Bolt venceu a mesma prova na Rio-2016 com 19s78.

Brasil dentro do esperado

O Brasil deixou o Mundial de atletismo com somente uma medalha isolada, a de bronze, conquistada por Caio Bonfim nos 20 km da marcha atlética. Sem poder contar com Thiago Braz (campeão olímpico no salto com vara) e Núbia Soares (quarta do mundo no salto triplo), o país teve como consolo o de ter uma razoável presença em finais. Foram seis em Londres, sem contar aquelas com finais diretas.

Os melhores resultados foram de Thiago André, sétimo nos 800 m, e Rosângela Santos, sétima colocada nos 100 metros. Rosângela ainda conseguiu quebrar o recorde sul-americano na prova (10s91), enquanto Érica Sena também superou a marca continental nos 20 km da marcha (1h26min59). Decepção mesmo só a não classificação para a final de Darlan Romani, quinto do mundo no ano no arremesso do peso.

Houve uma evolução de presença em finais em relação ao Mundial de Pequim-2015 (somente três finais), embora há dois anos o atletismo brasileiro tenha saído com uma medalha de prata, com Fabiana Murer, no salto com vara. No balanço final, o Brasil acabou cumprindo em Londres o que dele se esperava de fato.

VEJA TAMBÉM:

Todas as medalhas do Brasil na história do Mundial de atletismo 
O impacto da ausência de Thiago Braz no Mundial de atletismo 
A última cena (dramática) de Usain Bolt 
Bolt mostrou grandeza na derrota 
Usain Bolt em dez frases



MaisRecentes

Comissão de Atletas precisar ir além das cartas para buscar seu espaço no COB



Continue Lendo

Do que têm tanto medo os cartolas olímpicos brasileiros?



Continue Lendo

Georgia Dome é demolido e uma parte da história olímpica vai embora com ele



Continue Lendo