O impacto da ausência de Thiago Braz no Mundial de atletismo



Existem duas maneiras de analisar como a ausência de Thiago Braz irá refletir no desempenho do Brasil no Mundial de atletismo. Uma abordagem otimista, enquanto outra seria mais realista.

O corte do atual campeão olímpico do salto com vara no evento que começa nesta sexta-feira, em virtude de uma lesão ainda não curada na panturrilha, é positiva no sentido de preservação do ídolo. Não sou médico, portanto tenho que acreditar na avaliação tanto do atleta quanto de seu treinador, o experiente e competente ucraniano Vitaly Petrov. Se eles disseram que Braz não tem condições de estar 100% no Mundial de Londres, quem sou eu para discordar?

Aliás, relembrando o exemplo ocorrido há um ano, quando Fabiana Murer, maior nome da prova no país até então, competiu na Olimpíada rio-2016 mesmo com uma hérnia de disco, o ideal é que Thiago Braz seja mesmo preservado.

Existe também o fator psicológico. Como o diretor de Alto Rendimento da entidade, Antônio Carlos Gomes, confirmou à Folha de S. Paulo, a CBAt (Confederação Brasileira de Atletismo) resolveu “poupar” Braz no Mundial diante dos fracos resultados nesta temporada.

Segundo Gomes, a intenção tanto da CBAt quanto do próprio COB (Comitê Olímpico do Brasil) seria a de não ‘fritar’ Braz no caso de um desempenho ruim em Londres. Depois de levar o ouro olímpico com 6,03 m (recorde olímpico), melhor resultado de sua carreira, Thiago Braz patinou em 2017 na temporada ao ar livre. Seu melhor resultado foi um 5,60 m, em um meeting em Xangai (CHN).

O brasileiro chegou a disputar etapas da Liga Diamante em que nem conseguiu cravar uma marca.

Parte deste desempenho ruim pode ser explicado pela própria estratégia de Petrov. Após reunião com a CBAt, o ucraniano definiu que faria uma mudança radical no treinamento de Thiago Braz, visando os Jogos de Tóquio-2020. A intenção é torna-lo capaz não apenas de conquistar o bicampeonato olímpico, mas também quebrar o recorde mundial. Hoje, a marca está em poder do francês Renaud Lavillenie (6,16 m).

Se o pensamento for apenas pelo lado do resultado, é evidente o prejuízo que o atletismo brasileiro terá sem Thiago Braz. Se estivesse em forma e clinicamente recuperado, entraria sim com candidato a brigar pelo pódio. Sem ele, o Brasil dependerá novamente de algum resultado excepcional de Darlan Romani (peso), revezamento 4 x 400 m (masculino), Thiago André (800 e 1.500 m) ou os marchadores (Erica Sena e Caio Bonfim).

A partir da próxima sexta-feira, estas dúvidas serão resolvidas.

VEJA TAMBÉM:

Seleção brasileira é definida para o Mundial de atletismo. Confira a lista 
Atletismo reúne destaques da nova geração e estrelas da marcha no Troféu Brasil 
Com grana enxuta, atletismo brasileiro aposta em ‘meritocracia’ para Tóquio-2020 
Thiago Braz inicia temporada tentando reverter série negativa contra Lavillenie 
Thiago Braz sonha com voos mais altos