Atletismo precisa se reciclar



Coluna Diário Esportivo, publicada na edição de 28 de agosto do Diário de S. Paulo

O encerramento do Mundial de Berlim, no último domingo, deveria servir como um divisor de águas para o atletismo do Brasil. Calma, não haverá aqui uma espécie de caça às bruxas em razão do pífio resultado mostrado pela equipe brasileira durante a bela festa realizada pelos alemães. Os números, contudo, são cruéis: 42 atletas enviados, nenhuma medalha conquistada e a participação em somente cinco finais. Os melhores resultados foram obtidos por Fabiana Murer, no salto com vara, e o revezamento 4 x 100m feminino, que terminaram suas respectivas provas em quinto lugar.

Como já foi dito no parágrafo acima, seria até injusto crucificar a performance dos brasileiros em cima apenas dos resultados. O que não isenta de críticas algumas das grandes estrelas da equipe e que eram esperança de medalha, como Maurren Maggi (sétima no salto em distâncias) e Jadel Gregório (oitavo no salto triplo).

Para piorar a situação, ainda houve o escândalo do doping múltiplo dos atletas da equipe Rede, que causou vários desfalques na equipe que foi a Berlim e colocou toda a modalidade sob suspeita. A conclusão de tudo isso é que o atletismo brasileiro precisa passar por um choque de gestão. E não deixa de ser irônico que esta crise ocorra num momento de bonança financeira. Só a Caixa Econômica Federal, patrocinadora da Confederação Brasileira (CBAt), pagou mais de R$ 13 milhões para esta temporada, sem falar nos R$ 2,5 milhões da verba proveniente das loterias. Dinheiro mal-empregado?

A coluna Diário Esportivo, assinada por este blogueiro, é publicada às sextas-feiras no Diário de S. Paulo



MaisRecentes

As falhas de Isadora Williams não diminuem sua grandeza em PyeongChang



Continue Lendo

Campeã olímpica Rafaela Silva sofre racismo da PM no Rio de Janeiro



Continue Lendo

Heróis de PyeongChang #5: seleção americana feminina de hóquei no gelo



Continue Lendo