África do Sul ‘peita’ Iaaf ao colocar Semenya em pré-lista do Mundial



Caster Semenya foi incluída na pré-lista da África do Sul para o Mundial de Doha  (Crédito: Iaaf/Divulgação)

A federação de atletismo da África do Sul resolveu comprar uma briga com a Iaaf, entidade que comanda a modalidade. O motivo foi a presença do nome de Caster Semenya na pré-lista de convocados para o Mundial de Doha (QAT), que acontecerá em setembro.

 O blog está no Twitter. Clique e siga para acompanhar
+ Curta a página do blog Laguna Olímpico no Facebook
+ O blog também está no Instagram. Clique e siga

Em maio, a Corte Arbitral do Esporte (CAS) decidiu a favor da Iaaf em um processo que pedia limitação para atletas com altas taxas de testosterona. A decisão tinha como endereço certo atingir Caster Semenya, bicampeã olímpica dos 800 metros. A CAS aceitou um estudo da Iaaf que proíbe atletas com 5 nanomols por litro de sangue de participarem de provas de 400 m até a Milha.

Semenya é portadora de hiperandrogenismo, anomalia natural que aumenta os índices de testosterona em seu organismo.

Atletas que quiserem participar destas provas terão que se submeter a um controle hormonal para baixarem este índice durante seis meses. Quem não quiser fazer o tratamento, só poderá correr em distâncias acima de 3.000 m.

Indignada com a decisão, Semenya decidiu recorrer à Suprema Corte da Suíça. Em 3 de junho, atendeu ao pedido e suspendeu temporariamente a sentença. A Iaaf terá até o próximo dia 25 para se pronunciar a respeito. Segundo os advogados da sul-africana, a defesa apelou para “direitos humanos básicos”.

Diante deste quadro, a federação sul-africana, que já havia dado total apoio para Semeneya, não pensou duas vezes para colocá-la na lista provisória do Mundial de Doha, no início desta semana.

Longa batalha

Embora tenha respalda jurídico, Caster Semenya deve ter consciência de que ainda está longe de vencer esta batalha. A Iaaf tem interesse absoluto neste caso, tanto que patrocinou o estudo sobre o impacto do hiperandrogenismo. A alegação é de defesa da igualdade em relação a outras competidoras. Mas há especialistas também contestam esse decisão.

Em uma entrevista que fiz sobre o caso Semenya para o Yahoo Esportes, o médico português Luiz Horta, ex-presidente de comissão da Wada (Agência Mundial Antidoping) e ex-consultor da ABCD (Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem) mostra-se reticente. Segundo ele, o estudo tem pontos obscuros e por isso, merece ser visto com cuidado.

“É estranho, na minha opinião, que mulheres com hiperandrogenismo tem um rendimento superior no lançamento de martelo e não tem no arremesso de peso ou lançamento de disco. Ou tem um aumento no salto com vara e não tem no salto em altura. Do ponto de vista científico, é difícil explicar isso”, afirmou Horta.

Enquanto a polêmica não chega a um final, Caster Semenya segue sonhando com um lugar no próximo Mundial de atletismo.

VEJA TAMBÉM:

Não há vencedores no caso Caster Semenya 
Em prévia de Mundiald e atletismo, Liga Diamante dá largada em Doha 
Jornal canadense levanta dúvidas sobre caso Ben Johnson



MaisRecentes

Todos os campeões da história do Mundial masculino de basquete



Continue Lendo

Brasil no Mundial de basquete merece elogios e profundas reflexões



Continue Lendo