Acabaram com o sonho de Marquinhos



Coluna Diário Esportivo, publicada na edição de 20 de fevereiro de 2009

Basquete perde a chance de fazer uma revolução

Os ventos positivos que sopram no basquete brasileiro desde o início do NBB (Novo Basquete Brasil), o campeonato da Liga Nacional de Clubes, não podem esconder os inúmeros problemas pelos quais a modalidade vem passando há anos. Péssimos resultados obtidos com as seleções principais — a feminina deu vexame nas Olimpíadas de Pequim e a masculina nem consegue participar dos Jogos desde Atlanta-96; falta de um trabalho de base decente; a esmagadora maioria dos clubes em estado pré-falimentar; um número cada vez maior de garotos e garotas preferindo jogar em qualquer time segunda divisão em algum país da Europa a ficar por aqui. Os problemas são tantos que até fica difícil listá-los.

Nada melhor do que uma eleição para tentar mudar este quadro, não é mesmo? Pois a Confederação Brasileira de Basquete (CBB) terá eleição este ano. Mas a modalidade, por incompetência ou por puro medo de seus dirigentes, jogou pelo ralo a chance de colocar, pela primeira vez, um atleta renomado no comando de uma confederação. A candidatura do ex-pivô Marcos Abdalla Leite, o Marquinhos, que havia sido anunciada no final do ano passado, acabou não emplacando. E o motivo principal foi não ter recebido a indicação de pelo menos duas federações estaduais, exigência para que uma candidatura seja registrada na CBB.

“Foi muito desagradável. Eu tinha a promessa de apoio de três federações. Mas apesar de todos considerarem minha proposta maravilhosa, preferiram fechar com outras candidaturas”, diz Marquinhos, que a todo custo evitar falar a palavra “traição” para definir o motivo que acabou com o seu sonho. “O grande problema é que o pessoal joga pesado”, garantiu o ex-craque da seleção brasileira e que foi campeão mundial pelo Sírio em 1979, sem explicar exatamente que tipo de jogo pesado foi este que acabou com sua chance de ser presidente da CBB.

O sonho continua

Engana-se, contudo, quem pensar que Marquinhos desistiu de tentar novamente uma candidatura. “Agora que já sei como as coisas funcionam, voltarei mais forte do que nunca”, prometeu o ex-pivô, de 56 anos de idade, 44 deles dedicados ao basquete.

Nomes na mesa

Sem Marquinhos na disputa, a próxima eleição da CBB já conhece seus candidatos: além do incansável Gerasime Boziks, o Grego, que tentará nova reeleição, concorrerão Carlos Nunes, presidente da Federação Gaúcha, e Antonio Chakmati, presidente da Federação Paulista.

Confusão à vista


Alberto Murray Neto não é mais membro do COB. Ele garante que seu nome foi retirado da Assembléia Geral, por causa das constantes críticas que faz à entidade. Já a assessoria de imprensa do COB assegura que Murray já não integrava a chapa de Carlos Arthur Nuzman, reeleita no final de 2008.
A coluna Diário Esportivo, assinada por este blogueiro, é publicada às sexta-feiras no Diário de S. Paulo


MaisRecentes

Liberação da Fiba é o mais novo título mundial do basquete brasileiro



Continue Lendo

Herói olímpico dos EUA desafia escândalo sexual no Mundial de taekwondo



Continue Lendo

Com medalhista olímpico, Brasil estreia sábado no Mundial de taekwondo



Continue Lendo