A medalha mais significativa do Brasil no Pan de Toronto até agora



Ingrid de Oliveira e Giovanna Pedroso comemoram a medalha de prata na plataforma sincronizada. Crédito: Satiro Sodré/CBDA

Ingrid de Oliveira e Giovanna Pedroso comemoram a medalha de prata na plataforma sincronizada. Crédito: Satiro Sodré/CBDA

O tricampeonato de Thiago Camilo, na categoria até 90 kg do judô, obtida nesta segunda-feira pelos Jogos Pan-Americanos de Toronto, foi muito importante, isso não se discute. Mas a medalha mais significativa do dia para o Brasil veio de um esporte sem tradição alguma no país e teve também um sabor de superação. A medalha de prata de Ingrid de Oliveira e Giovanna Pedroso, na prova da plataforma sincronizada 10 m, é uma daquelas agradáveis surpresas que só o esporte é capaz de nos proporcionar.

Tive o prazer de acompanhar a prova comentando pela Record News e desde o início dava para perceber que as brasileiras iriam ficar na briga pelas medalhas. Mas havia algo um tanto fora da ordem: elas não saiam do top três ao final de cada sequência de saltos, conseguindo sempre ficar à frente da dupla americana, teoricamente mais forte. Até que chegou um momento inacreditável, quando assumiram o primeiro lugar, após a penúltima rodada de saltos, deixando para trás as canadenses Meaghan Benfeito e Roseline Filion e as mexicanas Paola Espinosa e Alejandra Orozco, todas medalhistas nos Jogos de Londres 2012.

>>> E mais: Choro, nervosismo e superação no primeiro dia do Brasil em Toronto

Um salto fantástico de Benfeito e Filion acabou dando o ouro para o Canadá, mas as duas jovens brasileiras (Ingrid tem 19 anos e Giovanna é uma adolescente de 16 anos!) conseguiram sustentar o segundo lugar, assegurando a única medalha para o Brasil nos saltos ornamentais em Toronto.

Mas há um outro ponto que precisa ser ressaltado no feito das brasileiras, que é a grande força psicológica demonstrada por Ingrid de Oliveira. Na prova individual da plataforma, na sexta-feira, ela cometeu um erro grave e acabou zerando um de seus saltos. Saiu da piscina chorando e precisou ser consolada pela treinadora para conseguir colocar a cabeça no lugar. No final, acabou fazendo um bom salto, mostrando muita força psicológica.

E mostrou também que é muito mais do que o rótulo de “musa”, que lhe foi atribuído após postar uma foto de maiô, de costas, em seu Instagram, antes  da abertura dos Jogos, que lhe rendeu diversas mensagens  e recados picantes dos torcedores, além das já desgastadas matérias em jornais de TVs, nas quais seus atributos físicos eram mais destacados do que seus feitos esportivos.



MaisRecentes

Los Angeles 2024 promete cerimônias em dois estádios. Veja o vídeo



Continue Lendo

Correria japonesa? Brasil já pensa nas oitavas do Mundial de handebol



Continue Lendo

‘Paredão’ Maik deixa Seleção Brasileira viva no Mundial de handebol



Continue Lendo