A incrível máquina de fazer pontos



Coluna Diário Esportivo, publicada na edição de 23 de abril do Diário de S. Paulo

Quem viu o set decisivo da final da Superliga feminina de vôlei, no último domingo, certamente se lembra de uma cena impressionante: a cada ponto que marcava pelo Sollys/Osasco diante do Unilever/Rio, a atacante Natália saia para comemorar furiosamente com suas companheiras. Parecia até que estava transtornada. De fato, Natália jogou com raiva, graças a um cartão amarelo recebido no terceiro set e que rendeu um ponto ao time carioca. O resultado de tanta indignação: 28 pontos marcados pela jovem catarinense, de 21 anos, quase 30% do total marcado pelo Osasco.

A fantástica atuação de Natália foi o ponto alto de um jogo para entrar na história do vôlei feminino brasileiro, e que culminou com a vitória do time paulista, quebrando um jejum de quatro vice-campeonatos seguidos na Superliga. Mas se já seria natural esperar um duelo emocionante, até pelo histórico de rivalidade entre Sollys e Unilever, a marcante atuação de Natália (segunda maior pontuadora do torneio) mostrou que estamos diante de uma feroz máquina de fazer pontos.

Mas é bom avisar: não se trata de uma nova Ana Moser. Embora o poder de ataque das duas seja semelhante, Ana Moser tinha um ótimo passe, além de jogar demais. Natália tem um enorme potencial, mas ainda precisa evoluir muito nas quadras.

O único ponto negativo da decisão da Superliga foi seu próprio regulamento. É de uma burrice inaceitável que um torneio cuja fase de mata-mata foi toda em melhor de três jogos tenha sido decidido numa só partida.

A coluna Diário Esportivo, assinada por este blogueiro, é publicada às sextas-feiras no Diário de S. Paulo



MaisRecentes

Se revogar a suspensão da Rússia, o COI perderá o respeito no combate ao doping



Continue Lendo

As falhas de Isadora Williams não diminuem sua grandeza em PyeongChang



Continue Lendo

Campeã olímpica Rafaela Silva sofre racismo da PM no Rio de Janeiro



Continue Lendo