O ESPÍRITO DO 7 X 1 - SCOLARI - BLOG JL PORTELLA

O ESPÍRITO DO 7 X 1 – SCOLARI



No semblante devastado de Scolari, desfilava o melancólico cenário que já vimos: o espírito do 7×1. De volta. Junto à zona técnica, os olhos claros, gélidos, perdidos no tempo e no espaço esboçavam a mesma face da derrota que, em fatídico dia, achincalhou no Mineirão, e achincalhava no Maracanã. As pupilas de Scolari comprimiam-se diante da impotência que lhe contemplava. Ele não sabia mais o que fazer. Como outrora. Ao lado, Turra, com patético fone que não fornece informação qualquer relevante.
Felipe Scolari perdeu o que de melhor possuía: garra, obsessão, sangue-nos-olhos. Tornou-se lasso. E manteve a presunção, a fina arrogância, a irritabilidade dos soberanos. A gana gaúcha deu a lugar a complacência que justifica as derrotas. Passou a aceitá-las com docilidade, transformando-se num analista de insucessos. Já a irascibilidade, talvez derive dos setenta anos bem feitos, somados à fortuna. A independência financeira pode tê-lo descolado da determinação antiga, o que tem ocorrido com tantos jogadores que, nada brilhantes, conseguem, fruto de políticas salariais sem lastro na razoabilidade, independência precoce tais como Deyverson, Lucas Lima, Jean e outros. O certo é que alma de Scolari, exposta em sua face, vagava perdida nos acordes do gramado e na acústica do estádio. Assistia, incapaz, ao desfile do adversário.
Ninguém retirará de Scolari a sua parte nos méritos pela Copa do Brasil de 2012 e do Brasileiro de 2018. Assim como não será isentado dos vícios no rebaixamento, 2012 e, agora, em toda a longa série de eliminações que procedeu no comando do Palmeiras.
Porém, Scolari deveria ficar, para administrar aquilo que criou e implantou. A diretoria do Palmeiras sabia bem quem ele era ao contratá-lo. Mas, como aconteceu com Eduardo Batista e Roger, depois de anunciar a manutenção, logo o demitiu. Convicção zero.
Ele não poderia sair apressadamente como fez com o Grêmio em 2015, ao deixá-lo, no início do Campeonato Brasileiro, na zona de rebaixamento. Nem na conveniente escapada em 2012, quando o alviverde caiu, e ele se livrou do opróbrio final. É cômodo para todos trocá-lo e passar a responsabilidade da conclusão do campeonato para outro, que também estará isento, pelo pouco tempo que terá.
Mattos precisa muito ser avaliado. Se tem passado vencedor, embora com passivo imenso nas finanças do Cruzeiro, também é real que gastou absurdamente sem resultado, numa das piores relações custo-benefício. Nunca houve uma sequência tão grande de contratações infrutíferas e inexplicáveis. Mattos é campeão nacional de desperdício. Além do volume avassalador de contratações impróprias, ele deve justificar o que analistas têm denominado “Plano de Saúde Melhor Idade no Futebol”. O jogador chega machucado, ganha cuidado médico e enfermaria cinco estrelas, e, além do tratamento privilegiado, em vez de pagar, recebe contrato longo e altos salários para ficar afastado. Mesmo que esteja em idade avançada para a carreira, configurando um programa radioso para a terceira idade no futebol.
Quem os contratou deve ser avaliado. De qualquer forma cabem à imprensa e à torcida, maior patrimônio do clube, avaliarem a direção do Palmeiras.A torcida tem recebido bem menos do que merece.
O perfil do técnico e o ânimo do time refletem quem é a direção do clube. Mano é uma escolha que pode dar certo, como outra qualquer, mas tem grande potencial para complicar. Ele está na contramão da torcida. A direção confrontou-se com o torcedor.

VISÃO PANORÂMICA
É gentil condenar Scolari por ser retranqueiro. Tem muito mais. Ele não consegue enxergar o jogo para fazer as modificações táticas e substituições. Substitui bem mal, infelizmente. Bruno Henrique, péssimo, chegava atrasado, fazendo faltas. Ele tirou Matheus Fernandes, que se movimentava e era melhor. Scolari é conservador e tem medo do novo. Não tira Felipe Melo quando ele está “amarelado”, porque prevalece o pressuposto da amizade. É um processo totalmente relacional, onde os amigos e os antigos se sobrepõem aos melhores.

Comments

comments



MaisRecentes

O CAMPEONATO E A SÍNDROME DO CHUVEIRO



Continue Lendo



Continue Lendo

CENI DESCOBRIU A REALIDADE



Continue Lendo