Esporte Feminino driblando a realidade - incentivando_esportes

Esporte Feminino driblando a realidade



Texto de Líbia Macedo

Em julho, tivemos a Copa do Mundo de futebol feminino na França, batendo vários recordes seja de venda de ingresso antecipada, número de torcedores, 130 TV`s transmitindo impactando 135 países e infinitas coisas acontecendo pela primeira vez, como somente equipe de árbitras apitando, significativo número de jornalistas mulheres na cobertura, sem falar em comentaristas e até narradoras.

Tivemos empresas liberando seus funcionários para assistirem aos jogos do Brasil e as jogadoras brasileiras pela primeira vez tiveram um uniforme feito para elas – isso porque participaram de todas as edições. O Futebol feminino começa a ter um pouco mais de estrutura, times, campeonatos, apoio oficial da FIFA, praticantes e simpatizantes, enfim começa à ser comentado e um olhar diferenciado.

Nos Jogos Olímpicos, somente em 2012, as mulheres conseguiram competir em todas as modalidades disponíveis – boxe era a última barreira. No Rio 2016, países como EUA e China trouxeram mais atletas femininas do que homens para competir. Fugindo à tradição, os países islâmicos já tem 1/3 de suas delegações formadas por mulheres desde a última olimpíada e com entrada de atletas de países mais radicais como Arábia Saudita e Yemem.

Nos cargos diretivos, o avanço é mais lento. Considerando a mesma Copa da França, das 24 seleções, somente 9 tinham técnicas, entre estas as 2 finalistas: Holanda e EUA, o que traz um feito inédito. Aqui em nosso campeonato brasileiro feminino, nas séries A1 e A2, dos 52 técnicos, somente 9 são mulheres (17%), mas nas comissões isso tem aumentado nas funções de nutricionistas, fisioterapeutas e gestoras.

Vemos números aumentando, não na progressão que gostaríamos, mas as conquistas de oportunidades e divulgação no esporte caminham conforme as transformações sociais, culturais, científicas, econômicas e políticas. Se pensarmos que no Brasil, mais de 50% das empresas não tem mulheres em cargos de liderança e menos de 5% delas tem uma mulher como CEO, e considerando que as mulheres ganham menos em geral no mundo todo – no Brasil quase 20% segundo o IBGE.

Obviamente isso também impacta na visão do esporte feminino para investimentos de patrocínio, de transmissão e de consumo. Se nosso país é o 5⁰em feminicídio, como essas mulheres terão voz para praticar e/ou assistir esportes? E na iniciação esportiva, quantas escolinhas temos por aí?

Nas de futebol, geralmente, as garotas praticam junto com os meninos e são raras as turmas genuinamente femininas, até aí ok, mas muitas desistem ou reclamam que não tem o mesmo tratamento e sofrem bullying  dos “colegas de time garotos”. No âmbito das ONG´s a maioria dos projetos são focados em meninos. Enfim, como diz Parlebas (2007) intelectual francês: “O esporte estará representando uma sociedade em miniatura, contendo um intenso laboratório de condutas e comunicação humana”.

Oxalá as mudanças esportivas femininas possam ser mais velozes que as do cotidiano, driblando esse espelhamento nesse microcosmo social.

Libia Macedo é professora, consultora e pesquisadora do ambiente esportivo e colaboradora do Incentivando Esportes

Siga também as nossas redes sociais no Facebook /IncentivandoEsportes e Instagram @IncentivandoEsportes

Photo by Ashley Williams from Pexels

 

 

Comments

comments



Cancelar Resposta

MaisRecentes

UEFA Champions League, um caso de sucesso



Continue Lendo

Zona de conforto



Continue Lendo

Outro Mogi Mirim



Continue Lendo