Por que Kazim é chamado de “Coca-Cola Kid” na Inglaterra?



 

De promessa do futebol europeu a uma carreira itinerante por diversos clubes pelo mundo, o atacante Colin Kazim-Richards é um daqueles personagens que só o futebol pode produzir.

 

Nascido em Leytonstone, bairro de Londres, cresceu em um cenário com poucas oportunidades de dar certo. Persistiu e buscou, no futebol, traçar um caminho diferente em sua vida. Chegou a jogar na base do Arsenal, seu time de coração, entre 1998 e 2001, mas não foi lá que se profissionalizou. Seria no modesto Bury Football Club que tudo começaria.

 

Rodou o mundo. Foi um dos poucos que ousaram cruzar o estreito de Bósforo, ou seja trocar o Fenerbahçe pelo Galatasaray. Se aventurou na Holanda e quase fez história na Grécia. Ainda tentaria o sucesso na Escócia, antes de desembarcar no Brasil, terra da esposa, para defender duas das grandes camisas do futebol do país: Coritiba e Corinthians.

 

Por seleções, filho de pai antiguano e mãe turca, optou por defender dentro de campo a pátria da mãe. Participou da Eurocopa de 2008, jogando todos os cinco jogos, na campanha que levou a Turquia às semifinais.

 

Kazim Kazim, como era conhecido na Turquia, em 2008.

 

Kazim é realmente dono de uma boa biografia para os amantes do futebol. Porém, mesmo sendo um verdadeiro globetrotter do esporte, uma curiosa – e um tanto peculiar- história faz como que o hoje “gringo da favela” aqui no Brasil ainda seja lembrando na Inglaterra como o Coca-Cola Kid.

 

 

Aaron Berry, o torcedor sortudo e “responsável” pelo apelido

Vale lembrar que o apelido não tem nenhuma ligação a uma publicidade com a multinacional norte-americana. É simplesmente graças a um caso de sorte que aconteceu em 2005. Na oportunidade, a Coca-Cola fez uma promoção na Inglaterra que pagaria 250 mil Euros (Um pouco mais de 1 milhão reais hoje) de prêmio para o clube do torcedor sorteado. O vencedor, Aaron Berry, deu todo o dinheiro para Brighton & Hove Albion, que resolveu usar a bolada para contratar o jovem Kazim do Bary, na época com apenas 18 anos.

 

“A Coca Cola tinha uma competição e o vencedor conseguiu dar £ 250,000 ao clube favorito. Eu sou um apoiante de Brighton e Hove Albion e eu ganhei. Mais de 1 milhão de fãs tentaram ganhar. Tive muita sorte. Então, a Coca Cola deu o dinheiro a Brighton e eles contrataram Colin Kazim Richards”, diz o próprio Aaron Berry, em entrevista exclusiva ao Gol de Canela FC

 

Aaron Berry (dir.) durante a apresentação do atacante, em 2005

 

Kazim nem chegou a fazer história no Brighton – um ano depois, transferiu-se ao Sheffield United – mas foi o suficiente para ser lembrado em seu pais natal até hoje pelo apelido, que em nada agrada o jogador (segundo entrevista dada a revista FourFourTwo, em 2017). Mesmo assim, Aaron se diz satisfeito por a ter ajudado o “Coca-Cola Kid” no inicio de sua carreira.

 

“Se eu o encontrasse acho que apenas o felicitaria pelo sucesso na carreira. Estou satisfeito pelo o que fiz o ajudou a começar tudo”, disse Aaron.

 



MaisRecentes

Por onde anda Lenny, ex-Fluminense e Palmeiras?



Continue Lendo

O dia em que Romero quase foi parar no Real Madrid



Continue Lendo

Conheça 7 clubes brasileiros que foram ‘copiados’ pelo mundo



Continue Lendo