Vasco joga a 110V um Brasileiro que é disputado a 220V



Riascos perdeu três chances claras de gol (Foto: Wagner Meier/LANCE!Press)

Riascos perdeu três chances claras de gol (Foto: Wagner Meier/LANCE!Press)

Se eu usasse o texto do fim de semana, da derrota para a Chapecoense, trocando uma ou outra frase, poderia muito bem passar batido na coluna de hoje. Os erros, os cruciais, foram os mesmos. A começar pela escalação.

Segundo jogo após a mudança tática, abrindo mão das duas linhas de quatro que haviam dado certo contra Flamengo e Avaí, e a segunda derrota consecutiva do Vasco. Não é por acaso. Nada é. Se dava certo, por que alterar?

Antes da partida, Roth justificou a utilização de três volantes pela entrada de Andrezinho. Ou seja, colocou em risco a coletividade por causa de um jogador. Se é para mudar os nomes, ok. Mas que coloque na formação que vinha dando certo.

A posição do jogador é a que ele ocupa no momento, não a que vem em sua ficha técnica. Não são bonecos de totó que não podem ser alterados, eles devem se mexer. Na linha de 4, todo mundo é meia e todos são volantes. Andrezinho poderia entrar nessa linha, mas o treinador preferiu o deixar isolado mais a frente. Não deu certo. Assim como não deu com Biancucchi contra a Chapecoense.

Lucas seria o responsável para levar a bola até o camisa 10. Mais um erro de Roth. Aliás, falha comum dos treinadores, que teimam em achar que modernidade é fazer volante jogar como meia, quando na verdade é exatamente o inverso que tem dado certo lá fora.

São apoiadores com qualidade que formam a linha, não cabeças de área com um mais de mobilidade. O caminho é inverso.

Três volantes não é garantia de defesa sólida, assim como três atacantes não significa ataque eficiente. Não se o time não tiver organização e compactação, duas coisas perdidas com a mudança de Celso Roth. Mexeu num time que estava ganhando, a troco de nada, deu errado e, o pior, manteve.

Mais do que alterações individuais, o treinador precisa corrigir a formação do time e a atitude da equipe. Pode botar dez zagueiros em campo que, se ninguém der combate, vai ficar assistindo o adversário tocar a bola até fazer o gol. E foi assim contra o São Paulo.

O Vasco, mais uma vez, mostrou que falta dinamismo tanto ofensivo quando defensivo. Correu atrás dos jogadores tricolores durante todo o primeiro tempo e início do segundo, vendo o adversário abrir três gols de vantagem. O time literalmente joga a 110 num campeonato que é disputado a 220V.

A melhora da equipe na etapa final se deu mais pela queda de ritmo do São Paulo do que por méritos do Vasco, que teve chances de diminuir o placar mas contou com uma noite deplorável de Riascos. Em vantagem, os paulistas diminuíram o ritmo e caminharam em campo, tamanha a fragilidade vascaína.

Enquanto os cruz-maltinos corriam de forma errada, os são-paulinos andavam de forma certa, ocupando espaços e tocando a bola de forma tranquila. Um choque de opostos. E de realidade.

Coletivamente, perdido. Individualmente, fraco. E o futuro parece cada vez mais tenebroso para o Vasco.

Obs: No meio disso tudo, um Guiñazu pressionando no ataque, mordendo no meio e roubando bola na defesa, enquanto os outros dez, todos mais novos, observam seu capitão se desdobrar em campo. Imóveis.



MaisRecentes

Vasco tem mais lesões do que vitórias em 2018



Continue Lendo

Não é azar



Continue Lendo

Artilheiro, Maxi López assume também o posto de garçom no Vasco



Continue Lendo