Vasco já sabe o que lhe espera em 2017: dificuldades



Ederson como centroavante, não tem rendido bem (Foto: Daniel Vorley/AGIF)

Ederson como centroavante, não tem rendido bem (Foto: Daniel Vorley/AGIF)

Era a chance do Vasco mostrar em que ponto, em qual nível, estaria se estivesse na Série A atualmente. E pelo o que foi visto nesta quarta-feira, na Vila Belmiro, não seria muito longe de sua posição atual. Ou seja, fora da elite.

Jorginho teve a oportunidade de mostrar que consegue sair do óbvio que são os confrontos da Série B, onde quando não dá na tática, arranca-se pontos no individual. E não conseguiu. Na Série A é preciso mais que isso, e o time não mostrou nada de novo.

Demasiadamente recuado e lento na saída de bola – como se o relógio corresse mais rápido quando o passe é lateral -o Vasco aceitou a posição de zebra contra o Santos. Entrou em campo para empatar, achando que seria possível segurar o Peixe apenas no toque de bola, uma das especialidades da equipe de Dorival. Obviamente não deu.

O Vasco foi para jogar como time pequeno. E perdeu com tal. Ao menos até o momento que o Santos abdicou de jogar para manter o placar.

Quantas vezes o Santos acelerou o jogo, foram quantas chegou com perigo. Seja em chutes de fora da área, triangulações pelas laterais ou cruzamentos para Ricardo Oliveira. Tudo que não fazia o ataque vascaíno, disperso de todo o resto do time.

Três minutos e Martin Silva salva o chute no ângulo de Lucas Lima. Dez corridos e Ricardo Oliveira perde sozinho. E o passeio se desenhava. Aos 30 abriu a porteira e assim foi até meia fazer o terceiro e fechá-la.

Havia sido assim também no Brasileirão 2015, quando o Santos perdeu um caminhão de gols. Na ocasião, por sorte – também conhecida como Martin Silva -, o placar ficou em apenas 1 a 0, em gol de falta de Victor Ferraz. Mas a supremacia foi idêntica.

Quando decidiu se colocar um pouco mais no campo de ataque, o Vasco teve chances de marcar, mas o placar já anotava 2 a 0 para os paulistas. Nada fora do comum: o Santos joga e também deixa jogar. Não à toa Vanderlei é o goleiro com mais defesas no Brasileirão. Mas Ederson e Andrezinho não souberam aproveitar.

Tremeram na hora de balançar. E esses ‘detalhes’ na hora de decidir que mudam a temporada de um clube. Mudariam se tivessem marcado.

Mais do que o placar de 3 a 0, preocupa a forma como os donos da casa controlaram as ações, acelerando e cadenciando o jogo ao seu bel prazer. Enquanto o Vasco aceitava passivamente. Até quando teve maior posse, foi quando o Santos, com o placar já montado, passou a se poupar em campo.

Ops, 3 a 0 não,  3 a 1. Enquanto eu escrevia, Eder Luís diminuiu. Muda tudo para o jogo de volta da Copa do Brasil, mas nada sobre o futebol apresentado, esse sim interessante para a continuidade da temporada e do próximo ano.



  • Breno

    Enfim. Tenho que acreditar. SJ

  • Edno Costa

    Torci pelo Vasco mais ninguém ganha do Santos com esse que tá ai na Vila.

  • Sergio Henrique Diniz Faray

    Futebol medíocre e previsível! Passamos 10 dias em treinamento e nenhuma mudança! Colocar William aberto na ponta direita, queima o jogador e atrapalha o time! Madson e Jorge Henrique tem que sair do time titular com urgência, são improdutivos ofensivamente! Jorginho peca pelo contunuismo e má fase de Nenê que não está mantendo os níveis de atuação do início do ano

  • Racional

    Garone, Jorginho fez o que podia. Jogar de peito aberto contra o Santos na Vila é suicídio. Ele colocou o time fechado para encaixar bons contra-ataques e numa bola ou outra conseguir o(s) gol(s). Mas para esse esquema dar certo é preciso, e muito, uma boa saída de bola dos volantes. E estes jogaram muito mal. O gol no fim foi um alento. No próximo jogo, o jogo da volta, a diretoria deveria realizar uma promoção de ingressos, para S. Januário ficar lotado. Vai ser com certeza um jogo muito difícil. O Santos com sua molecada vocacionada para o ataque vai criar dificuldades. Acredito que será um jogo de muitos gols. Mas no embalo da torcida as coisas podem ficar mais fáceis. Têm que acreditar porque é a chance do Vasco que têm um bom time, mas que não têm um bom elenco passar à próxima fase.
    E a Copa do Brasil na sua história já foi conquistada por times bem ajustados ainda que carentes de elenco.
    Abçs.

MaisRecentes

O clássico Evander



Continue Lendo

Evander e Andrés Ríos ganham posições no Troféu Ademir Menezes



Continue Lendo

O Vasco e a ‘síndrome da Caverna do Dragão’



Continue Lendo