O Vasco e seu carrossel de emoções



Douglas deixou o seu (Foto: Cleber Mendes/LANCE!Press)

Douglas deixou o seu (Foto: Cleber Mendes/LANCE!Press)

Definitivamente, jogo do Vasco é um carrossel de emoções. Perdi as contas de quantas vezes comecei, parei e mudei o que iria escrever aqui. Não é teste para cardíaco, é para quem está saudável. Quem tem coração fraco pára quando sai a escalação.

Na atual conjuntura do time, talvez seja mais tranquilo enfrentar o Real Madrid no Santiago Bernabéu do que o Íbis em São Januário. O dom para complicar partidas relativamente fáceis é impressionante e o gol do Vila Nova, típico de totó, ‘dado’ por Rodrigo, é um exemplo claro disso.

No primeiro tempo, o Vasco parecia aquela menina linda que você namorou na infância, hoje ’embarangou’ e ninguém, além de você, consegue perceber que um dia houve beleza ali. Apesar da descrença de todos, você se recusa a larga-la. Afinal, o amor é cego e envolve muitas outras coisas.

Mas a verdade é que doía só de olhar…

O empate antes do intervalo reacendeu a chama vascaína e impediu que a paixão se transformasse em ódio. O 3 a 1 final maquiou apenas um pouco do feio futebol apresentado, porém, como diz o provérbio, beleza não põe mesa. E a vitória, se não foi animadora e bonita pelo o que apresentou, ao menos foi eficiente para os objetivos do time.

Alívio, sim. Alegria, não. Sofrimento, muito.

Mas paixão, sempre!

Facebook – https://www.facebook.com/BlogDoGarone
Twitter – https://twitter.com/BlogDoGarone



MaisRecentes

Ríos se torna o 2º estrangeiro com mais gols pelo Vasco na história do Brasileiro



Continue Lendo

As duas faces de um empate



Continue Lendo

Artilheiro do Vasco, Pikachu vem tendo sua maior média de gols da carreira



Continue Lendo