Vasco e Pelé, uma relação histórica



Pelé com a camisa do Vasco em 1957 (Foto: Reprodução)

Pelé com a camisa do Vasco em 1957 (Foto: Reprodução)

Maior jogador da história do Santos, do Brasil  e do mundo, Pelé poderia ter sido também do Vasco. A história de Edson Arantes do Nascimento e do Gigante da Colina estiveram ligadas desde os primeiros anos de vida do ídolo.

‘Seu’ Dondinho, pai do Rei, jogou pelo Vasco de São Lourenço, de Minas Gerais. E foi vendo aquele time com a camisa preta, faixa diagonal e a Cruz de Malta no peito, que o garoto se apaixonou pelo futebol. Nascia ali também seu apelido e uma das ‘marcas’ mais reconhecidas do mundo: Pelé.

Fã do goleiro Bilé, arqueiro daquele Vasco mineiro, o eterno camisa 10 não se cansava de falar o nome do jogador a cada defesa nas peladas de várzea. Porém, como quase ninguém entendia o que o menino falava, Bilé virou Pelé. E, de nome de goleiro, se tornou referência de Rei.

Aos 16 anos de idade, o garoto enfim vestiria a camisa vascaína. Santos e Vasco se juntaram e formaram um combinado de atletas para disputar alguns amistosos. No dia 19 de junho de 1957, com a Cruz de Malta no peito, Pelé brilhou na goleada de 6 a 1 sobre os portugueses do Belenenses, marcando três gols no Maracanã.

Três dias depois, nova partida com o manto cruz-maltino e mais gol. Dessa vez, no empate em 1 a 1 com o Dínamo Zagreb, da extinta Iugoslávia. No dia 26, mais uma vez no Maraca, gol de Pelé e empate em 1 a 1 com o Flamengo. Até isso o Rei fez pelo Vasco.

Em seu último jogo com a camisa do Vasco, dessa vez em São Paulo, novo empate em 1 a 1, dessa vez com o Tricolor Paulista, e mais tento do maior de todos os tempos. Graças a essa exibições, uma semana depois, Pelé vestiria a Amarelinha pela primeira vez na vida, em jogo contra a Argentina.

Impressionado com o desempenho do menino, Antônio Soares Calçada teria tentando comprar o jogador, porém, Modesto Roma, presidente do Santos, teria liberado apenas o empréstimo, o que não agradou aos dirigentes cariocas. Por pouco a história de Pelé não foi escrita em São Januário.

Jogo entre Santos e Vasco  no qual Pelé marcou seu milésimo gol. (Foto: AE)

Jogo entre Santos e Vasco no qual Pelé marcou seu milésimo gol. (Foto: AE)

Doze anos depois, no dia 19 de novembro de 1969, no mesmo Maracanã onde brilhara no início de carreira, o Atleta do Século marcaria o seu milésimo gol na carreira. Dessa vez, o Vasco seria a vítima. Ao comemorar o feito, novamente vestiu a camisa vascaína.

Em 1977, no programa ‘Vox Populi’, da Tv Cultura, o Rei se rendeu e confessou a paixão pelo Gigante: “O clube do meu coração sempre foi o Vasco. Eu gostei muito do Vasco. Gosto muito do Vasco”, disse.

Das peladas em São Lourenço, aos primeiros gols no Maraca até o milésimo, Pelé e Vasco caminharam juntos. E nesse 23 de outubro, quando o craque completa mais um ano de vida, estas histórias não poderiam passar em branco.

Parabéns, Rei!



  • José Almir Santos Rosario

    Parabéns grande rei Pelé. Obrigado por tudo e que Deus lhe abençoe sempre, lembre Jesus te ama e olha por ti em todos os momentos.

  • José Almir Santos Rosario

    Esta relação Vasco mesmo muito intetessante, uma pena ele não nosso ( do Vasco) saudações.

MaisRecentes

Filantropia vascaína



Continue Lendo

Vasco rescinde com dois jogadores dos juniores



Continue Lendo

Quadrilha vascaína



Continue Lendo