Vasco e Pelé, uma relação histórica



Pelé com a camisa do Vasco em 1957 (Foto: Reprodução)

Pelé com a camisa do Vasco em 1957 (Foto: Reprodução)

Maior jogador da história do Santos, do Brasil  e do mundo, Pelé poderia ter sido também do Vasco. A história de Edson Arantes do Nascimento e do Gigante da Colina estiveram ligadas desde os primeiros anos de vida do ídolo.

‘Seu’ Dondinho, pai do Rei, jogou pelo Vasco de São Lourenço, de Minas Gerais. E foi vendo aquele time com a camisa preta, faixa diagonal e a Cruz de Malta no peito, que o garoto se apaixonou pelo futebol. Nascia ali também seu apelido e uma das ‘marcas’ mais reconhecidas do mundo: Pelé.

Fã do goleiro Bilé, arqueiro daquele Vasco mineiro, o eterno camisa 10 não se cansava de falar o nome do jogador a cada defesa nas peladas de várzea. Porém, como quase ninguém entendia o que o menino falava, Bilé virou Pelé. E, de nome de goleiro, se tornou referência de Rei.

Aos 16 anos de idade, o garoto enfim vestiria a camisa vascaína. Santos e Vasco se juntaram e formaram um combinado de atletas para disputar alguns amistosos. No dia 19 de junho de 1957, com a Cruz de Malta no peito, Pelé brilhou na goleada de 6 a 1 sobre os portugueses do Belenenses, marcando três gols no Maracanã.

Três dias depois, nova partida com o manto cruz-maltino e mais gol. Dessa vez, no empate em 1 a 1 com o Dínamo Zagreb, da extinta Iugoslávia. No dia 26, mais uma vez no Maraca, gol de Pelé e empate em 1 a 1 com o Flamengo. Até isso o Rei fez pelo Vasco.

Em seu último jogo com a camisa do Vasco, dessa vez em São Paulo, novo empate em 1 a 1, dessa vez com o Tricolor Paulista, e mais tento do maior de todos os tempos. Graças a essa exibições, uma semana depois, Pelé vestiria a Amarelinha pela primeira vez na vida, em jogo contra a Argentina.

Impressionado com o desempenho do menino, Antônio Soares Calçada teria tentando comprar o jogador, porém, Modesto Roma, presidente do Santos, teria liberado apenas o empréstimo, o que não agradou aos dirigentes cariocas. Por pouco a história de Pelé não foi escrita em São Januário.

Jogo entre Santos e Vasco  no qual Pelé marcou seu milésimo gol. (Foto: AE)

Jogo entre Santos e Vasco no qual Pelé marcou seu milésimo gol. (Foto: AE)

Doze anos depois, no dia 19 de novembro de 1969, no mesmo Maracanã onde brilhara no início de carreira, o Atleta do Século marcaria o seu milésimo gol na carreira. Dessa vez, o Vasco seria a vítima. Ao comemorar o feito, novamente vestiu a camisa vascaína.

Em 1977, no programa ‘Vox Populi’, da Tv Cultura, o Rei se rendeu e confessou a paixão pelo Gigante: “O clube do meu coração sempre foi o Vasco. Eu gostei muito do Vasco. Gosto muito do Vasco”, disse.

Das peladas em São Lourenço, aos primeiros gols no Maraca até o milésimo, Pelé e Vasco caminharam juntos. E nesse 23 de outubro, quando o craque completa mais um ano de vida, estas histórias não poderiam passar em branco.

Parabéns, Rei!



  • José Almir Santos Rosario

    Parabéns grande rei Pelé. Obrigado por tudo e que Deus lhe abençoe sempre, lembre Jesus te ama e olha por ti em todos os momentos.

  • José Almir Santos Rosario

    Esta relação Vasco mesmo muito intetessante, uma pena ele não nosso ( do Vasco) saudações.

MaisRecentes

Comendo pelas beiradas



Continue Lendo

Em boa fase, Pikachu já entra na lista dos dez maiores artilheiros do Vasco na história da Libertadores



Continue Lendo

Vasco rescinde com mais um jogador do Expressinho



Continue Lendo