Vasco de Eurico caminha devagar, mas pra frente



Eurico completou seis meses de Vasco (Foto: Cléber Mendes/LANCE!Press)

Eurico completou seis meses de Vasco (Foto: Cléber Mendes/LANCE!Press)

Seis meses da volta de Eurico Miranda ao Vasco. Seis meses em que a palavra ‘respeito’ voltou a ter um peso forte no clube, por mais que muitas vezes seja alvo de críticas. Seis meses em que Eurico voltou para cuidar do clube Vasco, não apenas do time. Diferença que já pontuei aqui em outras oportunidades.

Muito do receio do torcedor com sua volta, se dava – ou se dá – pelo fraco retrospecto entre 2001 e 2008, seus primeiros mandatos. Porém, em 180 dias já alcançou a mesma marca de títulos que em seus primeiros oito anos como presidente: um Carioca.

É pouco, mas foi só o que teve até agora. Não dá para pedir Libertadores, um passo de cada vez.

Mas como disse antes, o Vasco não é só futebol. Não é apenas um time. É um clube. E os maiores avanços do Cruz-Maltino até agora nos últimos meses não são em campo. É na estrutura.

Se com a bola rolando o time ainda deixa a desejar – apesar do título estadual -, fora das quatro linhas o avanço é claro. O colégio e o alojamento destinados às divisões de base foram reformados. O ginásio e o parque aquático também estão sendo. Um campo de treinamento está sendo construído próximo ao estádio. Esportes antes desativados foram retomados. Dívidas começaram a ser pagas e/ou renegociadas. Os gastos com futebol tem sido comedidos, por mais que isso irrite a torcida, e hoje o departamento trabalha dentro de percentual aceitável de menos que 70% do seu caixa.

Ações dignas de serem elogiadas, gostando ou não da figura de Eurico Miranda.

Por diversas vezes, algumas com razão e outras não, Eurico foi chamado de megalomaníaco e irresponsável financeiramente. Porém, são duas acusações que, até agora, não podem ser feitas nestes primeiros meses de sua nova (?) administração.

Não se fala mais em jogador na Justiça. Salário atrasado não é mais notícia. O elenco está tranquilo, as contas – atuais – estão sendo cumpridas. Os patrocinadores, aos poucos, vão acertando e renovando. As coisas andam, não estão paradas.

Mesmo com a tão falada austeridade financeira – que curiosamente é mais badalada em outros clubes que não o Vasco -, o time conseguiu ser campeão, se reorganizar estruturalmente e caminhar, ainda que vagarosamente. É melhor ir devagar para frente, do que rapidamente para trás, não?

O Vasco, clube, evoluiu nos últimos meses e olha pra frente, encarando a nova realidade do futebol brasileiro. O Vasco time ainda engatinha, mas nada que uma evolução natural com tempo não cure. O importante agora é não tropeçar nas próprias pernas e ter que começar novamente do zero.

Eurico continua sendo Eurico, com sua postura pouco amigável, suas frases de efeito e suas entrevistas polêmicas. Mas, administrativamente, tem sido bem diferente daquele visto no início dos anos 2000. Que seja uma constante, não exceção.



MaisRecentes

Uma vitória monumental



Continue Lendo

Ríos diminui vantagem de Pikachu no Troféu Ademir Menezes



Continue Lendo

Ríos se torna o 2º estrangeiro com mais gols pelo Vasco na história do Brasileiro



Continue Lendo