Um Vasco mais simples e uma vitória para o moral



Vasco venceu o River por 1 a 0 e ficou em 3º na Florida Cup (Foto: AFP)

Vasco venceu o River por 1 a 0 e ficou em 3º na Florida Cup (Foto: AFP)

Ser 3º colocado na Florida Cup não vale absolutamente nada.

Valeria ainda menos, porém, ser o 4º. ‘Nada menos um’.

Então, valeu.

Principalmente para levantar o moral do elenco, abalada após a derrota para o Corinthians.

Onde se lamenta a derrota, é necessário também comemorar a vitória. Por mais que indique pouco sobre o futuro. Há de se aprender a celebrar o presente.

Novamente, não foi uma atuação de gala. Mas foi diferente das outras duas. No esquema e na entrega.

Contra o River Plate, apesar da escalação bem parecida às anteriores, o Vasco se posicionou de forma mais simples, trocando o 4-2-3-1 pelo 4-4-2 clássico, com os quatro da segunda linha lado a lado quando a equipe estava sem a posse. Manteve as peças, inclusive os volantes de menor marcação, mas as reposicionou.

Sinal que a derrota anterior ensinou algo. E é pra isso que este período serve: errar e corrigir.

O time jogou melhor sem a bola do que nas outras vezes. Isso se chama organização. Ou melhor: início de um processo organizacional. Claro, ainda cheio de falhas. Porém, natural para um elenco de técnico novo, em pré-temporada e que ainda aguarda reforços.

O Vasco deu a bola para o River, ao invés de tentar ficar brigando com ela. Aceitou suas limitações – até de momento – e soube vencer.

O todo, não foi legal. Mas os pequenos detalhes, aqueles que se mostram fruto de treinamento e orientação, deixaram boas impressões. A mudança no esquema, Andrezinho como volante – apesar de, aparentemente, ser a contragosto -, Nenê como atacante, dois ‘pontas’ – Escudero e Eder Luis -mais abertos recuando para ajudar os laterais – um dos pontos fracos do time – na marcação…

Cristóvão usou a partida para testar. Algo que havia feito pouco até então. Deu certo. Ao menos neste jogo. O que diz pouco sobre o 2017 do Vasco, mas que mostra um treinador disposto a mudar quando necessário. Até seu conceito de posse.

Após a goleada para o Corinthians, o Cruz-Maltino precisava vencer para voltar ao Brasil de cabeça erguida. E conseguiu. Os acertos, a definição de titulares e esquema, ficam para os próximos dias.

O futebol, espera-se que venha com a sequência. E os reforços.



MaisRecentes

Bruno César não é Maxi López



Continue Lendo

Sub-20 do Vasco poderá superar o desempenho do time de 2010, que revelou Allan e Luan



Continue Lendo

A Martín o que é de Martín



Continue Lendo