Um Vasco à moda Bangu



Nenê foi expulso no fim do jogo (Foto: Paulo Fernandes/Vasco)

Eu me atreveria a dizer que jamais houve um Vasco x Bangu no frio. É um duelo tipicamente de verão, apesar da frieza do duelo desta quinta-feira. Principalmente sem o calor da torcida. Convenhamos: 50% do carisma do alvirrubro está em sua charanga. Assim como metade da imponência de São Januário – ou mais – vem do torcedor vascaíno.

O primeiro jogo do ano tem um único e singelo propósito: o de matar as saudades entre time e torcida. Sem uma das partes, o confronto nada mais é que uma extensão de um jogo-treino de pré-temporada. Ainda mais no atual momento vascaíno, onde o futebol é segundo plano. E o Carioca, dentro deste planejamento, está no terceiro escalão.

O simples fato da temporada se iniciar no meio de semana já mostra a má vontade com o torcedor. Não esperam sequer a folga do trabalhador para rolar a bola. Ela agora vem em dia útil, no meio do mês, tal qual uma fatura do cartão de crédito.

A questão é: São Januário, hoje, não é um local para reencontros. Muito pelo contrário. As batalhas mais importantes sequer são disputadas próximas das traves. Apesar das travas.

Voltando ao jogo, a verdade é que o Vasco foi ao campo à moda Bangu. E vice-versa.

Roupa semi-improvisada, zaga também, presidência idem… Nem um grito ao pé da orelha na hora de bater um lateral os jogadores vascaínos ouviram para tentar subir um pouco o nível da fraca atuação da equipe. Normal para a estreia, mas preocupante pelos agravantes do passado.

Não é de hoje que a equipe tem dificuldades na criação. No meio-campo, principalmente. Evander iniciou bem o jogo, se aproximando do ataque pelo meio, mas logo parou. Wellington mal foi visto. Wagner e Paulinho também. Nenê, apenas em cruzamentos. E Ríos? Mais uma vez desaguou…

Não demorou muito para Alfredo Sampaio, técnico banguense, notar a lentidão da rotação cruz-maltina e adiantar sua equipe. Principalmente após o gol de Rodinei, que abriu o placar após desatenção de Henrique e Wellington. Ricardo Graça e Luiz Gustavo, que antes faziam partidas seguras, passaram a ter dificuldades para iniciar as jogadas de trás. O segundo, após três erros consecutivos, acabou deixando o gramado para a entrada de Desábato.

E o rendimento, que já era ruim, ficou ainda pior no 2º tempo com as mudanças.

O campo era a única coisa que o torcedor vascaíno ainda tinha a esperança de ver bem estruturado em seu clube. Porém, além de impedido de assistir pessoalmente, quem acompanhou pela tv pôde notar que os problemas políticos e econômicos são sentidos e ouvidos no gramado. Ainda mais sob o silêncio fúnebre de São Januário.



  • Diogo Nunes

    É.. parece que teremos problemas na pré-libertadores.. parabéns euvírus por continuar destruindo o Vasco!

  • Alessandro Louzada

    Inicio da derrota do Vasco é a insistência do treinador em colocar Wellington como PRIMEIRO volante e Wagner como PONTA. Pra Evander ser SEGUNDO VOLANTE, precisa ter um marcador em campo, Jean era esse cara e agora o Desabato. Como cobrar que Wellington suba ao ataque se ele é o unico responsavel pela marcacao no meio? É bem simples, pra Evander jogar de segundo volante, escala Desabato como primeiro e dois pontas de velocidade, Paulinho, Rildo, Caio, PV. Quer ganhar o meio campo e ter mais posse de bola? Poe Desabato e Wellington no meio, Nene e Evander livres entre as linhas, Paulinho e Rios na frente. Incrivel como Ze continua com o mesmo erro que derrubou ele no Flamengo.

  • Vander Vasco

    O que fizeram com o VASCO?! A corja do eurico destruiu um clube gigante transformando pior que VÁRZEA!!! E a política suja fazendo mais um capítulo com Campello traindo a Chapa do Brant, dando toda a pinta q vai continuar as mesmas desgraças na administração… na moral, se o Brant não for eleito eu DESISTO DO VASCO!!! CANCELO PPV, NUNCA MAIS VOU A JOGO NENHUM! NÃO COMPRO MAIS NADA DO VASCO!!!! NÃO VOU DAR AUDIÊNCIA NEM PRA TV ABERTA!!! CHEGA DE HUMILHAÇÕES!!! É O FIM DO FUTEBOL PRA MIM!!!

  • Sergio Franco

    Nenê, Wagner, Henrique, vai ser mais um ano de sofrimento.

  • Marco

    No inicio, ate que nao estava tao mal, mas do meio para o fim… Ouvi muitos culpando o Henrique pelo 1o. gol, mas para mim, a culpa foi 80% do Wellington, que parece o mesmo de quando estreou no Vasco, e nao o que jogou o final da temporada. Paulinho ate que estava bem, ate (quase) torcer o tornozelo, ai, sumiu em campo, alias, apos o lance, praticamente nao se ouviu mais seu nome. O 2nd gol, foi pura falha do Pikachu, que pode dizer preferir jogar de lateral, mas ja provou que funciona melhor de meia (as vezes). Seja como for, foi apenas o 1o. jogo, temos muitos jogadores para estrear ainda, e se nao temos time para ganhar campeonatos (tudo e possivel, e futebol), pelo menos parece que teremos time para nao fazer tao feio. Nao adianta ficar tampando Sol com peneira, nao temos o fundamental, $$$$$, e se conseguirmos patrocinio, sera para manutencao do clube e dos que ai estao, salvo algum presente (como ja disse, e futebol). Quem sabe, as vezes o time encaixa, as coisas comecam a dar certo, e um time sem estrelas consegue coletivamente o que a maioria da media e os priprios torcedores nao acreditam. So espero que a tal historia de Eto fique por ai, historia. Nao precisamos piorar a situacao, como ja foi provado pelo Botafogo fazem alguns anos. Oppss, estava esquecendo do Nene, que pouco criou, produziu, e acabou expulso por uma atitude infantil, ou seja, “deu mole”. Parece que a atual situacao do clube o afetou realmente. Espero que como o resto do time em campo, e para estrear, melhore e muito, pois precisaremos muito dele este ano.

MaisRecentes

Vasco garante mais cerca de R$ 6 milhões em premiação na Libertadores



Continue Lendo

Na grandeza de Martín Silva



Continue Lendo

Defesa do Vasco pode igualar feito do time de 1990 na Libertadores



Continue Lendo