Raio X do jogador: Charles



Charles, ao fundo, observa Rodrigo com a bola (Foto: Anderson Stevens/LANCE!Press)

Charles, ao fundo, observa Rodrigo com a bola (Foto: Anderson Stevens/LANCE!Press)

Muito criticado após a derrota para o Cruzeiro, em São Januário, o goleiro Charles foi mantido como titular contra o Sport e não teve culpa na derrota. Apesar de demonstrar insegurança em algumas bolas, o camisa 1 vascaíno fez duas boas defesas, em chutes de André e Marlone, que impediram um placar maior.

Apesar de não ter comprometido, a falta de Martín Silva ainda é sentida. No primeiro gol do Leão, por exemplo, o arqueiro chegou a tocar na bola antes dela entrar. Talvez com o uruguaio sob as traves o destino teria sido diferente, mas como o ‘se’ não entra em campo, não é justo culpar o jogador por uma falha que começou no campo de ataque, quando Christianno perdeu a jogada.

Confira os números de Charles na partida:

CHARLES – SPORT 2X1 VASCO

Minutos em campo: 90
Defesas difíceis: 2
Defesas simples: 1
Cruzamentos interceptados: 1
Saídas certas do gol: 5
Saída errada do gol: 1
Pênaltis defendidos: 0
Gols sofridos: 2
Tiros de meta: 5
Lançamentos certos: 1
Lançamentos errados: 2
Passes certos (pés): 3
Passes errados (pé): 0
Passe certo (mão): 4
Passe errado (mão): 0



  • Reginaldo Rabelo

    Existem dois culpados: 1) Doriva, que é inexperiente, tem pouca idade para treinador de ponta e é extremamente teimoso(se tira um jogador por deficiência técnica – vide casos de Julio dos Santos, Christiano, Diguinho, etc – no mesmo jogo volta com ele); 2) Eurico Miranda, por sua teimosia e mau humor constante. Doriva era para ter saído quando o Grêmio o quis, mas o “patrão” tinha que mostrar poder, força e outras “cositas mas”, como sempre.
    Quanto ao Charles, nunca foi titular de equipes sub-20, Com 16 anos, assinou contrato de 3 anos com o Cruzeiro(teve passagens por uma dessas – são muitas, durante cada ano – Seleções sub-15 e sub17), mas não chegou a se firmar no sub-20 do Cruzeiro. Quando seu contrato se encerrou, foi dispensado e o Vasco o contratou no início de 2014 porque somente tinha o Gabriel Félix para o gol do sub-20(Jordi completara 20 anos e não mais poderia atuar na categoria no ano passado). Charles chegou e quase nunca jogou, pois o titular – ainda é – desde janeiro de 2014 é o Gabriel Félix(aliás cotado para promoção em 2016, quando já não poderá atuar mais no sub-20).
    Charles, também sem idade para o sub-20 em 2015 e com contrato até 31/12/15, foi incorporado ao elenco no início do ano como o 4º goleiro, atrás de Martin Silva, Jordi e Rafael Copetti. Faz defesas espalhafatosas – exatamente como o Diogo Silva – mas falha muito. É baixo para os goleiros atuais, muito inseguro e joga com os braços arriados(como se pesassem) o que passa intranquilidade aos jogadores e torcedores(lembra muito o Márcio de anos atrás que quando entrava nos lugares de Fábio ou Helton, era uma tragédia).
    Aí vem mais um capítulo das teimosias e ranzinices do Doriva: jogador que é expulso, entra numa espécie de lista negra(excetuando, não por acaso, o Guinazu).
    1. Bernardo começou o ano muito bem, era importante nas bolas paradas mas ao ser expulso num jogo em Macaé ou VRedonda no início do campeonato carioca ficou afastado das próximas três partidas, engordou, desmotivou-se e(complicado como é) perdeu-se.
    2. Montoya, que também iniciava bem o ano, foi expulso (salvo engano contra o Boavista) e NUNCA mais foi relacionado;
    3. Jordi, expulso no jogo da Ponte Preta(num lance em que vemos acontecer toda semana pelo mundo todo – até o Neur do Bayern o foi recentemente – do goleiro sozinho na frente do atacante e faz a falta para não levar o gol), saiu daquele jogo(minutos antes o Gilberto perdera o gol de empate num pênalti) para não mais retornar ao titular a despeito das falhas do Charles contra o Atl PR e, especialmente, contra o Cruzeiro em que matou nossa reação levando o 2º gol num frangaço.
    Outra coisa que precisaria ser confirmada: um amigo me disse que recentemente ouvira uma entrevista coletiva do Doriva que, perguntado, teria afirmado que não executa treinamentos de finalização porque isto seria fundamento desenvolvido apenas nas categorias de base.
    Talvez esteja aí, a deficiência que temos em finalizações ontem mais uma vez demonstradas em 3 lances(só para citar 3): 1) com o jogo em 1 x 1, e o Vasco jogando melhor, Riascos e Biancuchi tiveram dois lances de frente para o gol e chutaram muito mal; e, nos acréscimos, Gilberto foi preguiçoso e incompetente no domínio de uma bola que deixou nas mãos do goleiro(ali, podia ter feito o gol que empataria definitivamente o jogo: melhor que a derrota).
    Ontem foi o único jogo em que tivemos um lance para reclamar da arbitragem: Gilberto foi atingido com uma cotovelada(que chegou a sangrar) e o árbitro(como também seu assistente) se omitiram em não assinalar o pênalti.
    Que Doriva tenha boa sorte em seu futuro trabalho. No Vasco, há muito tempo, tenho defendido que a continuidade foi um erro(ou teimosia do Eurico, para contrariar a imprensa que vinha noticiando a possibilidade da saída do técnico desde o 3º empate seguido(dois contra o Cuiabá e um contra o Goiás).

MaisRecentes

Caio Monteiro marca seus primeiros pontos no Troféu Ademir Menezes



Continue Lendo

A zona vascaína



Continue Lendo

O ‘novo’ Nenê



Continue Lendo